Cidades mineiras suspendem a vacinação contra Covid em gestantes com a dose da AstraZeneca. A medida foi tomada nesta terça-feira após a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) publicar nota técnica, na noite de segunda-feira (10), recomendando a suspensão imediata da aplicação desse imunizante em mulheres grávidas.

A suspensão, conforme a Anvisa, é resultado do monitoramento de eventos adversos feito pela agência sobre as vacinas contra a doença em uso no país. Esse trabalho apontou a necessidade de que a AstraZeneca só seja aplicada para públicos previstos na bula. A agência orienta que a nota técnica seja seguida pelo Programa Nacional de Imunização (PNI), do Ministério da Saúde.

“O uso off label de vacinas, ou seja, em situações não previstas na bula, só deve ser feito mediante avaliação individual por um profissional de saúde que considere os riscos e benefícios da vacina para a paciente. A bula atual da vacina contra a Covid-19 da AstraZeneca não recomenda o uso da vacina sem orientação médica”, explicou a Anvisa.

De acordo com Agna Menezes, coordenadora da Vigilância em Saúde da Superintendência Regional de Saúde, as novas doses de vacina chegaram ao Norte de Minas e foram entregues na sexta-feira para os municípios, então, é possível que algumas gestantes já tenham recebido o imunizante.
 
MONTES CLAROS
Em Montes Claros, a vacinação de gestantes e puérperas (mulheres que tiveram bebê em um prazo de 45 dias) teve início no último sábado (8). O boletim epidemiológico desta segunda-feira indicava que 23 pessoas deste grupo já haviam recebido a vacina. Nesta terça-feira, o número subiu para 51 gestantes vacinadas. Segundo a prefeitura, nenhuma relatou sintomas relacionados à vacina.

Em nota, a Prefeitura de Montes Claros informou que, após a orientação da Anvisa, suspendeu a vacinação para o grupo específico ainda ontem e que irá manter a suspensão até que ocorra um posicionamento oficial do Ministério da Saúde.

Em Belo Horizonte, a imunização segue para esse público, no entanto, com o uso da Pfizer – que só tem sido repassada às capitais. “Ela é enviada apenas para as capitais, porque tem uma logística diferente das outras. Precisa ser armazenada no freezer a -80 graus, que é onde se mantém viável por seis meses. A uma temperatura de -25 a -15 graus, ela se mantém viável por 14 dias e, na temperatura de 2 a 8 graus, que é a temperatura normal de todas as vacinas, ela só se mantém por cinco dias. Por conta dessa logística/temperatura que a vacina exige, o Ministério da Saúde está enviando somente para as capitais”, explica Agna.

Segundo nota enviada pela Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), os 853 municípios mineiros foram oficialmente comunicados da necessidade da suspensão do imunizante na tarde desta terça-feira (11).

*Com Hoje em Dia