Esperança de dias melhores para o abastecimento de cidades no Norte de Minas, a Barragem de Jequitaí conta com mais R$ 50 milhões disponíveis para a realização das obras da represa.

O recurso foi viabilizado no Orçamento Geral da União 2021, votado no Congresso nesta quinta-feira (25). Segundo o senador mineiro Rodrigo Pacheco (Democratas), a medida foi possível após a articulação conjunta com os parlamentares mineiros da bancada federal.

Este valor se soma a outros R$ 50 milhões que o próprio senador já havia destinado ao projeto ainda no ano passado. À época, Pacheco havia articulado diretamente com o governo federal, e a obra passou a ser considerada como tema de “interesse nacional”.

A construção do empreendimento vai beneficiar cerca de 500 mil pessoas moradoras de 12 municípios mineiros. Pacheco explicou que, neste momento, os esforços do Legislativo estão concentrados no combate à pandemia do coronavírus, mas ressalta que, juntamente com a bancada mineira, continua atento e trabalhando em prol de pautas importantes para os mineiros.

“A nossa prioridade absoluta no Brasil é o enfrentamento à pandemia, mas como senador por Minas Gerais, eu não posso deixar de me dirigir ao povo de Minas para dizer que as nossas grandes reivindicações do Estado estão sendo defendidas no Parlamento”, destacou o presidente do Senado. 

Iniciado em 2013, o Projeto Jequitaí tem o objetivo de permitir o aproveitamento do potencial do rio Jequitaí. A regularização da oferta de água vai reduzir os riscos de enchentes e, no outro extremo, a falta de água, em razão da seca, além de dinamizar o polo agroindustrial existente na região.

A expectativa é a de que, durante a fase de obras, sejam criados 35 mil empregos diretos e 70 mil indiretos. Além disso, a instalação da barragem vai permitir a geração de energia instalada de 20,6 megawatts, garantindo uma série de melhorias aos meios urbano e rural da área.