As altas temperaturas típicas do verão castigam também os animais de estimação. Cães e gatos podem sofrer muito nessa época do ano. É preciso ter atenção e tomar alguns cuidados, principalmente porque esses animais não fazem troca de calor da mesma maneira que os humanos.

A transpiração deles ocorre pela boca, focinhos e almofadinha das patas, chamadas de coxins. Daí a necessidade de uma atenção maior com os pets no decorrer do dia. 

A médica veterinária Marianna Gabriela Cotta Reis e Reis, que atua no consultório veterinário São José, explica que há alguns animais, com especificidades, que precisam ainda de mais atenção. 

“Todos os cães merecem cuidados especiais no verão. No entanto, os idosos e os cães braquicefálicos – de focinho “achatado”, como Pug, Shih Tzu, Buldogue – precisam de atenção especial, pois sofrem muito com o calor”, afirma a veterinária.

Segundo Marianna, por possuírem o focinho de diferente conformidade, os braquicefálicos têm mais dificuldade para respirar, comprometendo a liberação de calor, que nos cães é feita principalmente pela respiração. Isso poderá causar o aumento da temperatura corporal que, se não controlada, pode acabar em desidratação, paradas respiratórias, desmaios, convulsões”, explica.

Já os cães idosos, por serem mais sensíveis, podem sofrer também com o aumento da temperatura corporal. Por isso, ressalta a veterinária, é importante ficar de olho. Cuidado com a alimentação, hidratação, banho, tosa e passeios.
 
AMBIENTE
De acordo com Marianna, é muito importante identificar se está muito calor para o animal e sempre observar o comportamento deles em locais muito abafados, que batem muito sol na maior parte do dia e os horários mais quentes. E sempre observar se o pet ficou mais ofegante, com salivação excessiva e agitado, podendo ter também a presença de vômitos.

“Quando for levar o seu pet para passear, é muito importante levar água. Dê preferência aos horários em que o sol não está muito quente, como antes das 9h e depois das 17h. É aconselhável trocar o asfalto pela grama, por exemplo, já que o asfalto retém mais calor, pode chegar a temperaturas elevadas e machucar as patas”, aconselha a médica.

Hidratação, banho e proteção solar
Uma dica importante da médica são os cuidados com alimentação e hidratação nos períodos quentes. Marianna orienta os tutores a espalhar potes com água fresca e limpa pela casa para ajudar o pet a ingerir mais líquido e se manter sempre hidratado.

Outra dica é colocar cubos de gelo no pote de água para manter o frescor do líquido por mais tempo. “Tem animais que ficam sem apetite nos dias mais quentes e tenho uma dica de uma receita bem apetitosa: colocar numa vasilha 200ml de água para um sachê de ração úmida e colocar no congelador até ficar sólido”, ensina a veterinária.

Para sobremesa, ela indica um “sorvete” de frutas, que pode ser feito em formas de gelo. Pode utilizar banana, morango, manga: coloca o pedaço da fruta em cada espaço da forma e acrescente água. Leve ao congelador até ficar sólido. No lugar da água, em alguns espaços, pode colocar iogurte natural.

“Lembrando que o melão e a melancia são ótimas opções para o calor”, diz a veterinária. Marianna reforça a atenção para uva e carambola, frutas que os pets não podem comer. Também não pode oferecer açaí e sorvete e não exagerar na quantidade de líquidos diários.

BANHO E TOSA NO VERÃO 
A pelagem do animal serve para equilibrar a temperatura corporal, funcionando como um isolamento térmico que evita que o pet perca ou receba calor em excesso. Por isso, é essencial o cuidado ao tosar algumas raças no calor.

“Melhor investir em banhos semanais e ambientes frescos e arejados. A tosa é mais indicada para deixar o animal bem higienizado. Ela é focada nas partes que mais acumulam sujeira, como as patas, barriga e nas proximidades das partes íntimas do animalzinho. Além disso, é relevante que as unhas do pet sejam cortadas, assim como as bolas e nós de pelos, que podem causar incômodo” explica Marianna.

FILTRO SOLAR
Vale ressaltar que cães e gatos, assim como humanos, também precisam de proteção solar. Muitas raças possuem a pele sensível e sofrem danos causados pela exposição excessiva às radiações solares.

Isso acontece principalmente nos animais albinos, de pele clara e com pouco pelo. Podem sofrer queimaduras solares e desenvolver sérios problemas dermatológicos.