A justiça dos Estados Unidos decidiu nesta quarta-feira (29) pela remoção imediata de Jamie Spears, pai da cantora Britney Spears, da tutela que controla a vida da cantora nos últimos 13 anos.

Ele já havia desistido do posto, mas sua saída estava prevista para acontecer só na audiência sobre o caso, que estava marcada para janeiro de 2022.

Porém, Britney pediu à justiça dos EUA para acelerar o fim da tutela do pai, e foi atendida pela juíza Brenda Penny.

Um dos motivos alegados para acelerar o rompimento é que a situação a impediria de assinar um acordo pré-nupcial com seu noivo, o modelo e atleta iraniano Sam Asghari.

O contador público John Zabel foi apontado pelo Estado para ficar responsável pela parte financeira da tutela até o final de 2021.

#FreeBritney

Fãs de Britney Spears se reuniram no movimento #FreeBritney (Liberte Britney, em tradução livre) para pedir a liberdade da cantora. Ela vivia há 13 anos sob tutela exclusiva do pai, sem ter controle sobre o dinheiro e a própria vida.

A tutela foi estabelecida quando Britney começou a apresentar problemas de saúde mental em meio ao assédio agressivo de paparazzis. A cantora chegou a perder a custódia dos filhos.

A hashtag se tornou viral nas redes sociais, em que protestos eram feitos diariamente pela liberdade de Spears. A campanha ganhou mais força após um usuário do TikTok ter publicado um vídeo afirmando que a cantora vivia sob tutela abusiva comandada pelo pai, Jamie Spears. A história, inclusive, foi tema de um documentário.

Leia mais:
'Simplesmente escolho não olhar mais', diz Britney sobre críticas nas redes
Britney Spears deixa clínica de saúde mental após um mês de internação