Valendo-se de um humor que beira ao deboche, com o personagem-título falando muitas vezes diretamente para a câmera, “Deadpool 2”, em cartaz nos cinemas, é um filme beeemmm nerd. Há muita referência à cultura pop dos anos 70, 80 e 90 e ao próprio universo dos super-heróis nos quadrinhos e nos cinemas. Spoiler: nada mais divertido do que ver Deadpool matando Ryan Reynolds – o ator que o interpreta – na época em que iria fazer “Lanterna Verde”, um super da concorrência e que foi um grande fracasso.
 
A turma geek, porém, tem muito o que comemorar nesta continuação: a presença de Cable. Quem? “É um personagem muito querido e que tem uma legião de fãs muito grande, principalmente para quem é fã dos X-Men”, explica o webdesigner Thiago Rique, que admite estar indo ver o filme mais por causa do soldado durão do futuro, vivido por Josh Brolin.
 
No filme, Cable primeiramente surge como vilão, duelando com um Deadpool que não perde a oportunidade para fazer piada. “Houve muito boato sobre um filme com ele, que apareceria na franquia ‘X-Men’. Guardaram o Cable para ‘Deadpool 2’, fazendo o contraste comum em duplas, com o ranzinza e durão (Cable) e o falastrão alegre (Deadpool)”, pontua.
 
deadpool1

 

Rique lembra que Cable foi criado, na metade dos anos 80, para ser o diretor do grupo Novos Mutantes, com “a premissa de ser um líder totalmente diferente do Professor Xavier” dos X-Men. Como este é um cadeirante pacifista, buscaram uma antítese na forma de um militar linha dura que tem uma metralhadora como braço.
 
As melhores referências estão no início, quando parodia as aberturas de 007 e acusa “Logan” de imitá-lo por ter uma classificação 16 anos
 
No início, ninguém sabia quem ele era, mas depois começaram a desenvolvê-lo, descobrimos que ele é filho do mutante Ciclope. Passou a ser o soldado definitivo, um viajante do tempo que luta em várias guerras, sempre impondo respeito e com frases marcantes”, detalha.
 
Atualmente, Cable é um dos líderes, a pedido do Capitão América, da ala mutante dos Vingadores. No cinema, porém, deverá aparecer novamente em “X-Force”, um grupo de super-heróis que, ao contrário do que “Deadpool 2” mostra, não foi criado pelo mercenário tagarela. 
 
Segundo Rique, há uma espécie de “ame ou odeie” em torno do personagem. Apesar de muito querido, há quem o ache poderoso demais, o que, no universo dos quadrinhos, pode ser uma desvantagem. “Assim como não gostam do Superman, devido às várias habilidades que possui. Cable é muito sofisticado, tem um padrão elevadíssimo”, salienta.