Luan Santana resolveu unir música e uma grande homenagem às mulheres em seu novo trabalho, "1977", a ser lançado neste mês em CD e DVD. "Gosto de acrescentar ideias diferentes à minha música. Agora, é a vez de celebrar o  feminino", diz ele.

O título remete ao ano em que a ONU (Organização das Nações Unidas) reconheceu oficialmente 8 de março como o Dia Internacional da Mulher, data marcada pela luta contra a desigualdade de sexos.

"Estamos em um momento em que as mulheres estão com tudo, sobretudo na música. É a primeira vez que trato de um assunto específico em um trabalho meu, e a melhor escolha foi o universo feminino", avalia.

Na gravação do projeto, que aconteceu em Paulínia (a 117 km de SP), ele contou com participações especiais apenas de artistas mulheres. Ivete Sangalo, Sandy, Marília Mendonça, Anitta e Ana Carolina, além da atriz Camila Queiroz, de "Êta Mundo Bom!", trama da Globo.

Cada convidada divide os vocais com o cantor em uma música. No palco, aparecem apenas Luan e a cantora, em um cenário repleto de referências feministas.

"O visual lembra uma fábrica, onde um incêndio iniciado por condições precárias de trabalho causou a morte de mulheres, nos EUA, em 1911. Há também fotos de protestos feministas em diferentes épocas", conta a diretora Joana Mazzucchelli.

O projeto conta com músicas especialmente escritas para esse DVD. Das 12 canções que formam o trabalho, apenas três não foram compostas pelo sertanejo. A primeira a chegar às rádios é "Dia, Lugar e Hora".

Os fãs do artista poderão ver toda essa produção em tela grande. Nesta terça (8), seis cinemas da rede Cinemark na Grande São Paulo vão exibir o DVD. Os ingressos custam R$ 40. Locais e horários podem ser conferidos em http://migre. me/vqk6d. (Leandro
 Vieira)