Para os não familiarizados, eles são bonecos ou brinquedos, mas para os fãs de colecionáveis, são chamados figuras de ação. Verdadeira febre principalmente entre homens adultos, as figuras reproduzem personagens dos quadrinhos e dos filmes de super-heróis e de ficção e têm pontos de articulação – que permitem mudanças de posição –, como fez questão de frisar um dos entrevistados pela reportagem.

E o hobby desses aficionados é levado bem a sério. Prova disso é o balanço de vendas das lojas especializadas. Na Ploft, localizada na Savassi, a maioria dos clientes é formada por homens, entre 20 e 65 anos. Segundo Christian Resende, sócio da loja, a vendagem dos produtos somou 35% na loja física e 25% no site, no ano passado.
Christian destaca ainda que este é um hobby caro. “As figuras de ação mais baratas custam entre R$100 e R$140. Os clientes mais velhos – com certa estabilidade profissional e renda média mais alta – procuram por itens mais relevantes de marcas como ‘Hottoys’ e ‘Sideshow’, cujas peças custam de R$1 mil a R$4 mil cada uma”.

Já Marcelo Carvalho, sócio da MiniMundi, no bairro Santa Inês, diz que a venda on-line de bonecos saltou 15% em 2015 comparando com o ano anterior. “Noventa por cento do nosso público é adulto”, informa.

‘Star Wars’ é sucesso

Há um ano e meio vendendo bonecos colecionáveis, Marcelo Carvalho frisa que este é um setor movimentado especialmente por lançamentos de filmes, livros e games. “A gente investiu, por exemplo, na linha do ‘Star Wars’, antes de o último filme ser lançado, e ‘rachou’ de vender”.

Fascinado pela saga mais famosa da história do cinema, o farmacêutico Alexandre Vieira Machado, de 42 anos, com certeza, foi um dos que ajudou a movimentar o mercado. São tantos itens relacionados à série que ele já perdeu a conta. Muita coisa, inclusive, segue encaixotada por falta de espaço para expor.

A paixão, conta Machado, iniciou ainda criança, por volta dos 7 anos de idade. “Guardo tudo que tenho desde a infância. As coisas de ‘Guerra nas Estrelas’ eram os meus brinquedos e, depois de adulto, passou a ser coleção”.

Para 2016, os fãs de colecionáveis já movimentam as redes sociais cheios de expectativa para a chegada das figuras preparadas para os lançamentos de filmes de super-heróis, como o novo “Capitão América: Guerra Civil”, em abril.

Amor por quadrinhos que se estende aos bonecos

Foi a paixão pelos quadrinhos que levou o educador físico José Lamounier Júnior, de 38 anos, ao universo dos bonecos de coleção. Aficionado por super-heróis, especialmente por Batman e Hulk, ele estima ter ao menos 50 bonecos.

“O colecionismo tem que ser regrado, se não você vira um acumulador”. Organizadíssimo, ele tratou de montar um espaço especial. “Convenci a minha esposa a mandar fazer um móvel na sala, onde exponho minhas figuras. O móvel é de madeira, todo branco e tem uma vitrine de vidro para diminuir a entrada de poeira”, diz.

Segundo Lamounier, quem não sabe que o local abriga a coleção não a percebe de início. “É o meu cantinho da leitura de história em quadrinhos, já que tem uma poltrona. A ideia é preencher o móvel todo de estátuas e figuras. Esta é uma paixão”, ressalta.

Contudo, ele conta que é complicado conseguir manter o, por não ser dos mais baratos, e destaca o fato de, às vezes, receber críticas por isto. “Apesar de muita gente não enxergar dessa forma, as peças são obras de arte, não deixam de ser esculturas”, defende-se.

Dentre os produtos mais relevantes da coleção, estão as estátuas de 75 centímetros do Gladiador, que, hoje, pode chegar a valer mais de R$ 3,5 mil no mercado, e a do Batman, que poderia ser revendida por cerca de R$ 2 mil.

Super-heróis e séries japonesas chamam a atenção dos fãs

Assim como Lamounier, no caso do biólogo Fabrício Vilas Boas, de 35 anos, os quadrinhos influenciaram bastante no gosto por figuras de ação. Porém, foi há apenas seis meses que ele iniciou a coleção. Hoje, cerca de 25 réplicas formam o acervo.

“Comecei a pesquisar na internet e vi que tem um mundo por trás disso. Achei legal e descobri os produtos da ‘Marvel Select’, figuras de ação com mais detalhes de pintura e de 20 pontos de articulação”, explica. Além de super-heróis, o biólogo é mais um fã de “Star Wars”’. “Gosto de personagens específicos. Não tenho a ambição de ter um número ‘x’ de itens. Tenho interesse em comprar o que gosto”.

Apesar de se considerar iniciante no, ele se mostra bastante apegado. “Não gosto de tirá-los muito da estante (risos)”, conta ele, que costuma postar fotos das “obras de arte” no Instagram.

Outro foco

Focado nos personagens de séries japonesas, como Cavaleiros do Zodíaco e Kamen Rider, o funcionário público Clayson Manoel da Silva, de 32 anos, reúne cerca de 130 itens.

O começou há sete anos e, hoje, a coleção ganhou uma cristaleira para exposição. Devido à explosão de “Star Wars”, Silva não resistiu ao sucesso do filme e iniciou, agora, uma nova coleção.

“Tenho um cartão de crédito só para fazer compras na internet e a maioria delas são de figuras de ação (risos). Já fui descontrolado (nas compras), mas hoje me controlo”, garante ele, que assume já ter feito loucuras, como acordar às 4h para garantir um objeto na pré-venda pela internet.

Ele participa de vários grupos no Facebook para se manter sempre bem informado. Entre eles, o “Action Figures Forever Brasil”, com mais de 21 mil membros, além de ser administrador do “Cloth Myth Saint Seiya Forever Brasil”, com cerca de 17 mil participantes, e um dos fundadores do “S.H. FIguarts Brasil”.

Veja vídeos de reviews de figuras de ação:

Sean Long - Hot Toys Darth Vader

 

ShartimusPrime - Marvel Select Age of Ultron Hulk

 

JayC - Bandai SH Figuarts Iron Man Mark 45

 

Pixel Dan - Hot Toys Luke Skywalker

 

UsBonecos - Play Arts Kai Mulher Gato

 

Marcos Cordeiro - NECA Exterminador do Futuro T800