O Grupo do Beco recebe, a partir de hoje, os artistas da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz, tradicional grupo teatral de Porto Alegre. Trata-se do projeto “Conexões para uma Arte Pública”, que consiste na residência artística da trupe gaúcha em três capitais do Sudeste – São Paulo e Rio de Janeiro, além de Belo Horizonte. 
 
A mostra conta com várias apresentações em diferentes pontos da capital mineira, de hoje a domingo. A proposta do projeto é levar ao centro do país uma significativa amostra do trabalho artístico e pedagógico que o grupo gaúcho vem desenvolvendo ao longo dos anos em Porto Alegre. 
 
A programação começa hoje, às 15h, no Parque Municipal, com a apresentação da montagem “O Amargo Santo da Purificação” – espetáculo que também será apresentado no domingo, às 15h, na Barragem Santa Lúcia. 
 
A residência conta ainda com oficinas e worshops realizadas dentro da Casa do Beco (av. Artur Bernardes, 3876, São Bento). 
 
O grupo gaúcho apresenta ainda a performance “Onde? Ação nº 2” (amanhã, às 15h, na Praça da Rodoviária) e a demonstração técnica/desmontagem de Tânia Farias, “Evocando os Mortos – Poéticas da Experiência” (amanhã, às 20h, no Galpão Cine Horto). 
 
Para os profissionais do teatro, a dica é conferir o seminário “Conexões Para Uma Arte Pública”, realizado na sexta-feira, às 20h, na Casa do Beco. 
 
Participam do processo Amir Haddad, Paulo Flores, Marcelo Palmares, Chico Pelúcio, Nil César e Marcelo Bones. 
 
Intercâmbio
 
Os grupos/espaços escolhidos para compor esse projeto têm uma longa trajetória teatral. São exemplos de um trabalho em favor da construção da cidadania e identidade. 
 
Estão na contramão de uma visão que pode ser chamada de “cultura do efêmero”. 
 
Os anfitriões, além de receber a Tribo, apresentam seus trabalhos – no caso do Grupo do Beco, “Quando Eu Vim para um Belo Horizonte”.