A criadora da série "Girls" e diretora do filme "Tiny Firniture", Lena Dunham, usou o Twitter para se defender as acusações de que teria abusado sexualmente da irmã mais nova. Numa série de cinco mensagens, ela afirma que essa crítica não é apenas cômica, mas principalmente "desconcertante" e "repulsiva".
"Contei uma história sobre ser uma criança de 7 anos estranha. Acho que vocês também têm as suas, velhos, que eu prefiro nem ouvir", destacou. "Geralmente isso é coisa que eu posso ignorar, mas não rebaixem quem sofre, não distorçam minhas palavras", acrescentou. A crítica partiu de um blog comandado por Ben Shapiro, um comentarista político conservador dos Estados Unidos.

O texto do blog reproduz uma passagem de "Not that kind of girl" (Não é Aquele Tipo de Garota, em tradução livre), afirmando que a atriz teve "experiências sexuais com sua irmã mais nova, Grace". O livro é uma coletânea de ensaios lançado pela atriz nofim de setembro. A passagem reproduzida por Shapiro mostra Dunham olhando e tocando a vagina da irmã após conversas com a mãe sobre útero. Na primeira versão publicada, o blog dizia incorretamente que Dunham tinha 17 anos quando isso aconteceu. Uma nota no pé do texto corrige a informação. No Twitter, a atriz e diretora ainda ironizou: "E, a propósito, se você é uma criancinha que nunca olhou para a vagina de outra criança, bom, parabéns para você".