Mesmo com uma bebê de oito meses em casa, Leonora Weissmann não deixou o trabalho de lado. A prova de que sua produção continua abundante é a exposição “Provocando o Infinito”, que entra em cartaz a partir desta quinta-feira (2), no Espaço Cultural Vallourec.

A mostra traz 15 telas, boa parte delas de grandes dimensões. “Continuo trabalhando a temática do retrato inserido na paisagem. Entre eles, estão três autorretratos que estão dentro de uma pesquisa que desenvolvo desde 2004, de diálogo com as pinturas de Albert Eckhout”, explica Leonora Weissmann.

O pintor, que inspira a artista há uma década, é o viajante que foi trazido para o Brasil no século 17 por Maurício de Nassau. Foi autor de pinturas famosíssimas, referências nos livros de História.

A família e os amigos são as figuras mais constantes na exposição. A bebê Isadora, por exemplo, está em duas pinturas (como a que ilustra essa página). O amigo Sérgio Pererê ganhou uma grande tela, intitulada “Pererê à Beira da Floresta”. “Minhas pinturas incorporam o meu cotidiano. Há um traço afetivo no meu trabalho”, explica.

Essa é também a primeira vez em que Leonora trabalha uma exposição híbrida, com a apresentação de trabalhos em outros suportes. A mostra conta com fotografias, objetos e mini-instalações. “Isso ‘tá’ dando um frio na barriga.
A pintura é espaço de experimentação constante, mas está sendo muito interessante experimentar também outros suportes”, diz.

Outro trabalho ao qual ela tem se dedicado é o seu primeiro disco solo, “Adentro Floresta Afora”, que está em fase de mixagem. A previsão de lançamento é o início do ano que vem.