Se eles não se uniram em vida ou em propósitos artísticos, ao menos nas telas de Rogério Fernandes ícones nada previsíveis fazem um duo: Frida Kahlo & James Dean, Coco Chanel & Lampião; Elvis & Madonna e até Cyndi Lauper com o vilão dos vilões, Darth Vader.

Ao todo, são 20 duplas representadas em quadros que compõem a mostra "Casais Inesperados", que pode ser vista a partir desta terça-feira (28), no Piso L3, do Diamond Mall (avenida Olegário Maciel, 1.600, Lourdes) – diariamente, das 10 às 22 horas, até 12 de junho.

"São personagens que exercem fascínio sobre mim. Figuras que admiro de alguma maneira. Me questione por que desenhar esses casais e pergunto: por que não?", diz o artista.

O trabalho, inédito, reforça referências criativas do artista: cores alegres e traços do Surrealismo e do cordel – numa exaltação clara à cultura nordestina – ele nasceu no Piauí.

Na tarde desta terça, Rogério pinta "ao vivo" uma tela de 2,2 X 2,2m. O retrato? O encontro de um casal inesperado, mas que não teve a identidade revelada. "Já fiz tantos grafites nas ruas e tantas telas assim, que o olhar do espectador não me intimida mais. Coloco uma música e mando brasa", brinca.

A obra resultante desse "live painting" será doada para leilão em benefício das obras sociais do Serviço Voluntário de Assistência Social (Serva). "Um dos motivadores dessa mostra é o espaço: o shopping é um lugar democrático e fico muito contente em ver meu trabalho ocupar o imaginário das pessoas e se popularizar, no sentido correto da palavra. É o objetivo de todo artista: ser visto".

Nem dentro, nem fora

O Memorial Minas Gerais Vale, na Praça da Liberdade, abre na quarta (29) a temporada daquele que é considerado o maior projeto de sua programação – as exposições selecionadas a partir do edital de novos artistas. A artista Carolina Cordeiro, com "Entre", ocupa as salas de Exposição e de Vídeo até agosto. A artista transita por diversos suportes e mídias, como fotografia, vídeo e instalações. "O que apresento é um lugar imaginário. O que não está nem dentro, nem fora. É o intermediário, algo que está ‘entre’ todas as coisas. Diz muito sobre como experimentamos e enxergamos os acontecimentos", diz.
Confira mais no site MemorialVale.com.br.

"A mitra e a coroa"

Já a exposição "A Mitra e a Coroa: Espaço e Sociedade – A Formação do Arraial do Curral del Rei" entra em cartaz no Museu Histórico Abílio Barreto (av. Prudente de Morais, 202, Cidade Jardim), trazendo referências desde as primeiras entradas pelos sertões da Bahia até aproximadamente 1950.

A iniciativa busca demonstrar como a íntima correlação entre o público e o privado – representados pela Coroa Portuguesa, o Estado Republicano e a Igreja – asseguraram, através de variados processos e agentes sociais, a definição do território e a propagação de um modo de vida peculiar. Em cartaz por aproximadamente quatro meses.