O dia 23 marca uma série de comemorações: hoje é o Dia Nacional do Choro, Dia Internacional do Livro e, não bastasse, o dia devotado a São Jorge. E eventos temáticos balizam os acontecimentos na capital mineira. O Dia do Choro, na verdade, já vem sendo contemplado desde o último dia 20, quando teve início o "Festival de Choro e Samba", que prossegue até o próximo dia 28, com atrações de respeito.

Esta terça, aniversário do saudoso Pixinguinha (1897-1973), o Grande Teatro do Sesc Palladium (rua Rio de Janeiro, 1046, Centro) recebe, às 20h30, o Clube do Choro (Silvio Carlos, Warley Henriques, Carlos Walter, Ricardo Acácio) e convidados como Waldir Silva. A entrada é gratuita (retirada de senhas uma hora antes da apresentação), mas pede-se a doação de um quilo de alimento não perecível

"Dividimos o show em duas partes", conta Silvio Carlos, diretor cultural do Clube do Choro e responsável, na apresentação, pelo violão de 7 cordas. "Na primeira, vamos ter convidados locais, gente ilustre como Fernando Sodré, Helio Pereira, Elisa do Acordeon e Paulinho Pedra Azul, entre outros não menos importantes. E, num segundo bloco, grandes convidados, que vêm do Rio, como o Zé da Velha & Silverio Pontes, Henrique Cazes, Maionese da Flauta...", enumera.

No repertório, claro, Pixinguinha marca presença. "Ele é o patrono do choro. Mas vamos mostrar obras de mineiros, como Godofredo Guedes, Geraldinho Alvarenga, e, no segundo bloco, de Jacob do Bandolim, Waldir Azevedo e Ernesto Nazareth".

Entusiasmado, Silvio lembra que o choro, hoje, arrebata fãs de todas as idades. "Se antes era tido como música de pessoas mais 'velhas', hoje atinge crianças (que gostam muito!) e jovens. Talvez por conta da divulgação na mídia e dos eventos culturais, principalmente aqui, em BH, que já pode ser considerada uma das capitais do choro no Brasil. Há que se dizer que o choro, hoje, é matéria em escolas e até universidades", comemora.

Tradição

Já a "Festa São Jorge – Rosas Entre Livros" une a devoção ao Santo Guerreiro a um viés solidário: no evento, as pessoas trocam livros por rosas. No 15º ano de realização, a programação inclui apresentações de Lula Ribeiro e dos Tambores de Jorge (de Maurício Tizumba), contação de histórias com a Trupe Maria Farinha e sorteio de livros.

Em sintonia com a tradição, as 200 primeiras pessoas que doarem livros vão receber uma rosa. Anote aí, portanto: é nesta terça, das 17 às 21 horas, na Praça Duque de Caxias, Santa Tereza, com entrada gratuita.

Mais de cem países comemoram o "Dia Mundial do Livro e do Direito do Autor", data lançada pela Unesco em 1996. O 23 de abril também é dia do nascimento de Shakespeare (1564-1616). Na Espanha, em 1616, morre Cervantes, Por esse motivo, na Catalunha (Espanha), as pessoas trocariam livros por rosas, tradição que inspirou a festa em Belo Horizonte, idealizada pelo diretor do projeto "Sempre Um Papo", Afonso Borges.