SÃO PAULO - O multimilionário americano Steven Cohen, uma das figuras mais famosas de Wall Street, comprou o quadro "O Sonho", do pintor espanhol Pablo Picasso (1881-1973), por US$ 155 milhões (R$ 311 milhões). A informação foi revelada nesta terça-feira (26) pelo jornal "New York Post".

A aquisição de "O Sonho" foi divulgada semanas depois que o fundo de investimento de Cohen, o SAC Capital, pagou US$ 614 milhões (R$ 1,2 bilhão) ao governo para evitar um julgamento por fraude que se tornou o maior caso de uso de informação privilegiada da história de Wall Street.

Segundo fontes anônimas do "New York Post", a compra do quadro foi um "presente" de Cohen para si mesmo, para celebrar o acordo com o governo. A intenção de Cohen era que sua aquisição não fosse divulgada.

O quadro, pintado por Picasso em 1932 e no qual aparece sua musa Marie-Therése Walter, estava até agora nas mãos do magnata de Las Vegas, Steve Wynn, que em meados dos anos 1990 danificou acidentalmente a obra.

O preço pago por Cohen cobriu a restauração. Além disso, a estimativa é que os US$ 155 milhões desembolsados por ele sejam o preço mais alto pago por um colecionador de arte nos Estados Unidos na história.

O diário nova-iorquino revelou também que, no ano passado, o milionário já havia feito uma proposta pelo quadro, no valor de US$ 139 milhões (R$ 278 milhões).

O preço de "O Sonho" não superou o de "Os Jogadores de Cartas", do francês Paul Cézanne (1839-1906), que em 2011 foi comprado por US$ 250 milhões (R$ 501 milhões) pela família real do Qatar, tornando-se o quadro mais caro da história.