Como transformar pessoas comuns em campeãs

Opinião / 08/01/2022 - 06h00

Mauro Condé*

“Somos nós que criamos boa parte dos nossos problemas. Não é fácil resolvê-los mas também nunca é impossível”.

Acabo de voltar de uma viagem rumo ao conhecimento, usando como meio de transporte excelentes livros sobre desenvolvimento pessoal.

Eles me levaram para dentro da quadra de esportes da Universidade de Harvard no ano de 1972, onde fui recebido por Timothy Gallwey, a quem fui logo pedindo:

Ensina-me algo que eu ainda não saiba e tenha o poder de mudar a minha vida para melhor.

-Desenvolva elevada autoconfiança e autoestima e nunca permita que elas se transformem em arrogância.

Gallwey escreveu o revolucionário livro “O Jogo Interno Do Tênis” e criou uma nova ciência para transformação de pessoas comuns em verdadeiros campeões.

Depois de muito observar e se questionar, ele descobriu um padrão que diferenciava os campeões dos atletas comuns.

O que mais o intrigava era o fato de que, mesmo dando instruções e treinamentos iguais para jogadores diferentes, alguns deles se tornavam vencedores e outros não.

Gallwey percebeu que dar atenção apenas às técnicas e aos adversários em quadra não era suficiente.

Concluiu que todo ser humano é composto por dois tipos de seres, o ser exterior (como aquele que aparece nas quadras executando as jogadas) e um ser interior e invisível que vive oculto dentro da mente de cada um de nós.

Este ser interior, em muitas vezes, assume o papel de censor, de responsável por fazer a autocrítica e o autojulgamento do jogador enquanto ele atua.

Na maioria das pessoas, quando um erro ou um deslize é cometido a ponto de fazê-la errar ou perder uma jogada, o ser interior começa a gritar horrores e ofensas dentro de sua própria mente, fazendo críticas severas, desestabilizando o ser exterior tornando-o mais inseguro, mais medroso e perdedor.

Gallwey então percebeu que todos os campeões, sem exceção, aprenderam a silenciar mentalmente o seu ser interior (altamente crítico e destrutível) para permitir que o ser exterior possa realizar a melhor jogada possível, dentro das técnicas aprendidas com o máximo de concentração e capricho.

Então ele modificou o sistema de técnicas de ensino do tênis para ensinar as pessoas a como dominar seus seres interiores e se tornarem campeões em tudo o que fazem.

Em 1972, Gallwey batizou este seu processo inovador com o nome de Coaching.

*Palestrante, Consultor e Fundador do Blog do Maluco

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários