A importância da demissão humanizada nas empresas

Opinião / 06/01/2022 - 06h00

Lorena Lage*

Recentemente, uma demissão em massa nos EUA estarreceu o mundo corporativo. Por meio de uma videochamada, o CEO de uma empresa de hipotecas norte-americana avisou a quase 900 colaboradores que eles estavam demitidos. A abordagem gerou inúmeras críticas tanto de profissionais de RH, como dos ex-colaboradores. 

Como especialista em direito, devemos entender que o momento de dispensa de um colaborador costuma ser delicado e desafiador para a empresa. Por essas razões, dentre tantas outras, é essencial que o processo de desligamento seja realizado através de uma demissão humanizada, que traz, inclusive, benefícios para ambos. É o que muitos têm denominado de offboarding.

O offboarding é tudo que envolve o processo de desligamento de um colaborador, seja por decisão da empresa ou por opção do próprio funcionário.

Segundo pesquisas da Sales Benchmark Index (SBI), profissionais de RH passam oito vezes mais tempo estruturando o processo de admissão do que o de desligamento. Já dados da Aberdeen Strategy & Research revelam que apenas 29% das empresas entrevistadas possuíam um offboarding estruturado, mostrando que existe uma oportunidade sendo desperdiçada.

Ao implementar o offboarding, você reduz a probabilidade de conflitos com o ex-colaborador, seja com demandas judiciais ou outras atitudes vingativas contra a empresa. Se bem estruturado, esse processo melhora a imagem da organização no mercado e retém novos talentos, juntamente com o uso de outra metodologia, a outplacement.

Outplacement
Essa metodologia visa instruir e capacitar os colaboradores que foram demitidos da empresa para que possam ser realocados profissionalmente no mercado. 

Isso facilita a reinserção do profissional no mercado e diminui os impactos que o desligamento causa na organização. 

Para o colaborador, os benefícios desse processo são diversos. O outplacement é uma forma de apoio emocional e melhora de sua autoestima, além de poder contribuir para com o aumento do networking.

Reforço ainda que as startups possuem inúmeras vantagens em adotar essa metodologia. Não é à toa que, conforme relatório da Verified Market Research, a movimentação do mercado global de serviços de outplacement deve chegar a US$ 2,37 bilhões até 2025.

Cuidados jurídicos na dispensa
Aconselho que os empregadores tomem todos os cuidados necessários, como se certificar de todos os pagamentos que devem ser realizados ao colaborador. 

No caso dos empregados CLT, por exemplo, é necessário verificar todos os benefícios e as verbas rescisórias a que eles têm direito.

Além disso, é importante que os pontos altos da conversa com o funcionário sejam documentados, preservando a segurança jurídica da instituição.

*Especialista em direito para startups da Lage&Oliveira Advogados 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários