O possível reajuste de cinco vezes no preço do restaurante da Universidade Federal de Viçosa (UFV), na Zona da Mata, gerou revolta nas redes sociais e protestos por parte dos estudantes e do Movimento por uma Universidade Popular (MUP).

A mudança foi provocada por cortes no orçamento da instituição e pela redução no repasse de recursos do Programa Nacional de Assistência Estudantil (Pnaes), que fizeram o valor subir de R$ 1,90 para R$ 9, o que representa um aumento de quase 500%.

Com isso, o MUP pede à UFV que haja mais diálogo com os estudantes antes que o aumento seja efetivado – ainda precisa ser aprovado em última instância para vigorar.

No Twitter, o assunto é o segundo mais comentado do Brasil. Hashtags como “R$ 9,00”, #UFVTaOsso e #9ReaiséEsculacho dominaram a plataforma de mídia social. 

“Aumentar o restaurante universitário de R$1,90 pra R$9 é HUMILHAR o estudante! Não há ensino, não há educação e não há pesquisa enquanto existeir FOME!”, diz um internauta no Twitter. “500% de aumento na refeição do restaurante universitário! Como a universidade pública pode ser para todos assim?”, questiona outro.

Em nota, a UFV argumenta que não há reajuste no preço dos restaurantes há 15 anos (desde 2006). Também afirma que a proposta ainda será submetida à análise e aprovação do Conselho Universitário e pode sofrer alterações, mas que é necessário algum tipo de reajuste.

A instituição explica ainda que, sem uma mudança, a universidade precisaria, para 2022, de R$ 20 milhões para manter o funcionamento dos restaurantes. Isso representa o dobro do orçamento previsto no Projeto de Lei Orçamentária Anual para o Pnaes, considerando apenas a alimentação estudantil.

"Fora da realidade"

A estudante de Medicina Veterinária da UFV, Ayla Miranda, de 22 anos, diz que a proposta de aumento é “fora da realidade”, e que precisaria fazer todas as refeições em casa, o que a prejudicaria, já que o curso é integral e nem sempre consegue tempo para se deslocar.

“Grande parte dos estudantes de Viçosa não conseguirão se manter na cidade tendo que pagar esse valor em cada almoço”, lamenta. 

Veja algumas reações de estudantes na web:

 

Leia mais:

Primeiro dia de provas do Enem 2021 tem 26% de abstenção
Participantes comentam as questões do primeiro dia de provas do Enem

 

Confira a galeria com imagens dos protestos: