A partir das 8h desta quinta-feira (6), 51 famílias serão retiradas de suas casas às margens do ribeirão Betim, na cidade homônima da Região Metropolitana de Belo Horizonte, por causa do risco de um transbordamento do curso d'água inundar os imóveis. 

Segundo a Prefeitura de Betim, a ação será de responsabilidade da Copasa, que cumpre uma liminar da Justiça que obriga a companhia a tomar providências em caso de risco.

O transbordamento do ribeirão pode acontecer porque a represa Várzea das Flores, em Contagem, também na Grande BH, atingiu sua capacidade máxima no último dia 30, e vem deste então vertendo água para o ribeirão e aumentando seu nível.

A remoção das famílias foi combinada na manhã desta quarta-feira (5), durante uma reunião entre a Prefeitura de Betim e a Copasa. Apesar de somente 51 famílias terem sido colocadas como prioritárias, chega a 319 o número de potenciais atingidas em caso de transbordamento no local.

A Copasa foi procurada e esclareceu que 186 acomodações em um hotel no Centro de Betim foram reservadas para as famílias removidas. Em nota, a empresa ainda reiterou que a represa está segura. "A Copasa informa que a represa Vargem das Flores, neste momento, opera normalmente em total segurança com 99,6% de sua capacidade, sem vertimento de água, sem risco de transbordamento e reafirma que a represa da Vargem das Flores opera de forma segura e estável."

Leia mais:
Várzea das Flores atinge capacidade máxima e Betim aciona Copasa na Justiça por providências