Com o rompimento da barragem de Córrego do Feijão, em Brumadinho, nesta sexta-feira (25), a Copasa afirmou que o fornecimento de Belo Horizonte não será prejudicado. 

A preocupação com interrupções no abastecimento vem da possibilidade de o rejeito atingir o rio Paraopeba, que abastece o sistema de mesmo nome, usado para fornecer água para várias cidades da RMBH, inclusive para a capital. 

A Copasa informou, em nota, que continua monitorando a situação e acompanhando no local. O plano de emergência da companhia, caso o abastecimento pelo sistema Paraopeba precise ser interrompido, é usar as represas do Rio Manso, Serra Azul, Várzea das Flores e a captação a fio d'água do Rio das Velhas.

Confira a nota da Copasa:

A Copasa informa que o abastecimento de água da Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH) não será prejudicado com o rompimento da barragem Mina Feijão, em Brumadinho, de responsabilidade da Vale, ocorrido na tarde desta sexta-feira (25/01).

A Companhia informa que está monitorando a situação e acompanhando no local. Caso seja necessário, o abastecimento da região atendida pelo sistema Paraopeba passará a ser realizado pelas represas do Rio Manso, Serra Azul, Várzea das Flores e pela captação a fio d'água do Rio das Velhas.

Confira a nota da Vale:

"A Vale informa que ocorreu, no início da tarde de hoje (sexta-feira), o rompimento de uma barragem na Mina Feijão, em Brumadinho (MG). As primeiras informações indicam que os rejeitos atingiram a área administrativa da companhia e parte da comunidade da Vila Ferteco. Ainda não há confirmação se há feridos no local. A Vale acionou o Corpo de Bombeiros e ativou o seu Plano de Atendimento a Emergências para Barragens.

A prioridade total da Vale, neste momento, é preservar e proteger a vida de empregados e de integrantes da comunidade.

A companhia vai continuar fornecendo informações assim que confirmadas".