Após uma mulher de 57 anos morrer soterrada, nesse sábado (29), a Defesa Civil de Belo Horizonte vistoriou e interditou 18 casas no bairro Conjunto Paulo VI, na região Nordeste da capital, onde o deslizamento aconteceu. Os moradores foram encaminhados para casas de parentes e para abrigos.

Segundo o órgão, a ação ocorreu em parceria com a Companhia Urbanizadora e de Habitação (Urbel), e fiscalizou imóveis nos arredores de onde ocorreu o deslizamento que matou a mulher e deixou outros três feridos. A Unidade Municipal de Educação Infantil (UMEI) Paulo VI foi transformada em um posto de atendimento à população.

Na manhã deste domingo (30), equipes da prefeitura atuaram na limpeza e recuperação da área afetada. Até as 11h20, os cerca de 50 agentes das secretarias de Obras e de Limpeza Urbana já haviam recolhido 30 toneladas de barro, lixo e entulho no bairro Conjunto Paulo VI. Eles também distribuíram lonas para proteção das áreas afetadas. 

Com nove dias consecutivos de chuva, a capital mineira está sob alerta de risco geológico. A precipitação frequente, segundo a Defesa Civil, causa saturação do solo pode levar a deslizamentos, desabamentos e erosões. 

Somente em dezembro, o órgão já registra 632 ocorrências relacionadas à chuva. A região Nordeste, além de ser a única que já ultrapassou o volume de chuva esperado para o mês, é a campeã de ocorrências, com 169 registros, quase 100 a mais que a regional Leste, que figura em segundo lugar no ranking, com 73 chamados.

Leia mais:
Mulher morre soterrada em BH; três pessoas sobrevivem a desabamento