A Polícia Civil de Minas Gerais abriu um processo administrativo para apurar as circunstâncias do fechamento repentino da autoescola Mangabeiras, que, desde a última segunda-feira (27), está sem funcionar e não deu satisfação aos alunos.

Em nota, o Departamento de Trânsito de Minas Gerais (Detran-MG) informou que os responsáveis pelo centro de formação de condutores podem responder criminalmente por estelionato, dependendo dos rumos da investigação. As vítimas foram conduzidas para prestar esclarecimentos e, assim, registrar o boletim de ocorrência para dar início às apurações.

O dono da empresa chegou a ser investigado em outro caso por susposto envolvimento em fraudes no processo de habilitação, mas, de acordo com o Detran-MG, ele não chegou a ser indiciado por falta de provas. Segundo o órgão, na ocasião deste crime, funcionários da autoescola Mangabeiras absolveram o empresário; um instrutor de trânsito acabou sendo apontado como o responsável pelas fraudes.

No Google, a autoescola tem uma série de reclamações, a maioria feita há meses, de dificuldades com a empresa, como atrasos e falta de esclarecimentos no processo. Na página do local no Facebook, alguns alunos também manifestaram indignação.