Mais de 6.500 casos de dengue foram notificados em Minas Gerais apenas nos 17 primeiros dias do ano. O número, superior a todo o mês de janeiro de 2012, quando foram registrados 5.803 ocorrências, deixa o Estado em alerta. Apenas 30 municípios concentram 75% do total de notificações.

O secretário de Estado de Saúde, Antônio Jorge, fez um apelo às autoridades municipais pedindo prioridade no assunto. Segundo ele, a troca de prefeitos foi um dos fatores que mais contribuíram para o aumento das notificações.

“Nessa transição, houve o desmonte de muitas equipes de saúde. Além disso, contratos de coleta de lixo se encerraram, fazendo com que os resíduos se acumulassem pelas ruas de algumas cidades”, disse.

Em Ipatinga e Timóteo, no Vale do Aço, por exemplo, o lixo não foi recolhido por quase dois meses, deixando a população à mercê do Aedes aegypti.

Diante do cenário desfavorável, o governo pedirá aos órgãos estaduais que possuem caminhões para disponibilizar os veículos aos municípios onde a situação é mais crítica. A ajuda da Secretaria de Estado de Saúde também inclui contratação de 200 profissionais da área médica e aumento do número de equipamentos.

“Já foram autorizados R$ 26 milhões para ações de combate à dengue em 2013. Se houver necessidade, o governador Anastasia informou que não há restrição de recursos”, disse Antônio Jorge.

O início da circulação do vírus da dengue tipo 4 no Estado e o verão quente e chuvoso foram outros elementos que podem ter favorecido o aumento do número de casos.

“Não temos evidência que esse novo sorotipo aumenta a gravidade da doença. Mas, como não há memória imunológica, a população se torna mais vulnerável”, explica.