Lua, filha do jornalista e apresentador Tiago Leifert e de Daiana Garbin, foi diagnosticada com um tipo raro de câncer nos olhos, o retinoblastoma. A doença, não tão conhecida, foi identificada em outubro de 2021 na menina de pouco mais de 1 ano de idade. 

A informação foi divulgada pelo casal por meio de um vídeo publicado no Instagram. Até o momento, a criança já passou por quatro sessões de quimioterapia. 

O Hoje em Dia conversou com a oftalmologista Ariadna Muniz, do Hospital de Olhos Hilton Rocha, em Belo Horizonte, para explicar o que é a doença, os principais sintomas e como é realizado o tratamento. 

Entenda:

O retinoblastoma:

O retinoblastoma é um tumor intraocular maligno primário, mais comum em crianças, originário das células da retina. Segundo a Sociedade Brasileira de Oftalmologia Pediátrica (SBOP), pode ocorrer em um olho, sendo unilateral, ou em ambos, bilateral, e geralmente ocorre em crianças com menos de 5 anos.

A doença afeta aproximadamente 6 mil crianças no mundo por ano e ocorre igualmente em meninos e meninas. “Um câncer muito comum na primeira infância. Em alguns pacientes, o caso bilateral pode ter um traço hereditário, sendo mais agressiva”, frisou a oftalmologista Ariadna Muniz. 

Quais são os sintomas e como identificar?

A doença pode causar uma alteração do reflexo vermelho dos olhos observado em fotografias. Crianças com a enfermidade apresentam uma mancha branca. Em outros casos, há a possibilidade do estrabismo. 

“Também pode ser verificado o movimento de pêndulo de relógio, olho tremendo ou a criança olhando para baixo. Algumas pegam os objetos muito perto e tudo isso é sinal de alerta, mostra que há alguma coisa anormal”, afirmou a médica. 

Ariadna MunizA oftalmologista Ariadna Muniz

Como ocorre o diagnóstico?

O câncer é confirmado após um exame oftalmológico, que pode ser realizado em consultório, e feito com a pupila dilatada. Eventualmente é confirmado com exame sob sedação no centro cirúrgico. 

Ainda de acordo com a SBOP, a ultrassonografia ocular deve ser realizada e pode mostrar pontos brilhantes intralesionais consistentes com cálcio. A tomografia computadorizada também pode mostrar as calcificações quando a ultrassonografia não está disponível. A ressonância de crânio é necessária para realizar o estadiamento do tumor.

“Por isso é fundamental fazer o teste do olhinho ao nascer, já na maternidade. Se tiver tudo bem, é importante levar a criança ao oftalmologista entre 2 e 3 anos para a realização do primeiro exame oftalmológico. O caminho é a prevenção”, concluiu Ariadna.

Como é feito o tratamento?

O tratamento envolve quimioterapia e depende da intervenção precoce, sendo adaptado a cada caso. As taxas de cura são superiores a 95% quando feito de forma adequada. 

“É comum perder a visão, já que ele é altamente agressivo, mas há formas de tratamento que melhoraram muito nos últimos cinco anos, com resultados mais favoráveis”, finalizou. 

A Sociedade Brasileira de Oftalmologia Pediátrica indica que o manejo do retinoblastoma é complexo e envolve quimioterapia e terapia focal ou métodos cirúrgicos, com remoção do olho quando indicado. 

“A quimioterapia para o retinoblastoma pode envolver vários métodos diferentes, incluindo as vias intravenosa, intra-arterial, periocular e intraocular. A terapia focal pode consistir em destruição térmica, congelamento (crioterapia), laser e radiação de placa (braquiterapia). Pode ser utilizado um único tratamento ou uma combinação de tratamentos. Devido à sua complexidade, o retinoblastoma deve ser tratado apenas por um oncologista ocular treinado no tratamento de retinoblastoma”, diz a SBOP.

Leia mais:
Filha de Tiago Leifert e Daiana Garbin está com câncer raro nos olhos
BH convoca pessoas com alto grau de imunossupressão com mais de 70 anos para 4ª dose contra Covid
Cantora gospel Ludmila Ferber morre aos 56 anos vítima de câncer no pulmão