Um novo protocolo de retorno às atividades escolares presenciais foi publicado pela Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) nessa quinta-feira (27). O documento, válido para instituições da rede estadual no ano letivo de 2022, destaca a importância da vacinação contra a Covid-19 e revoga restrições. 

Uma das principais novidades da 7ª versão diz respeito à suspensão de aulas em caso de casos positivos para a doença. Anteriormente, isso ocorreria quando mais de uma notificação fosse registrada em uma mesma classe.

A partir de agora, os estudantes ficarão afastados por cinco dias caso 30% dos alunos da mesma turma tenham a confirmação laboratorial do vírus.

“As investigações de surtos caberão às secretarias municipais de saúde, que contarão com o apoio do Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (Cievs Minas), por meio de esclarecimentos e orientações técnicas”, informou a SES na manhã desta sexta-feira (28). 

O novo protocolo também revogou o escalonamento na entrada e na saída dos alunos, mas mantém a recomendação de controle do fluxo para evitar aglomerações nos momentos de troca de turnos. Ainda de acordo com a pasta, as medidas não terão impacto na segurança sanitária dos trabalhadores e alunos. 

Comprovante de vacinação

O documento inclui, ainda, a orientação para que gestores das unidades escolares solicitem a apresentação do cartão de vacina aos pais e aos responsáveis com a finalidade de “promover, junto à Atenção Primária à Saúde (APS), medidas informativas e educativas de prevenção de doenças imunopreviníveis”.  

A ação não está condicionada ao impedimento ao acesso ou à frequência escolar dos alunos. “Trata-se apenas de um modo de identificação de possíveis fragilidades na cobertura vacinal. Com isso, podemos realizar buscas ativas e entender melhor a situação individual de cada aluno, além de orientar pais e responsáveis sobre a segurança das vacinas”,  disse a subsecretária de Vigilância em Saúde da SES-MG, Janaína Passos.

Cuidados

Assim como nos demais documentos, a nova versão ressalta a importância de medidas sanitárias, como o uso universal e correto de máscaras (para alunos com idade superior a 2 anos) cobrindo boca e nariz, lavagem frequente das mãos e distanciamento entre alunos, professores, funcionários e frequentadores das escolas, independentemente do estado de vacinação.

Imunização

O protocolo também atualiza as recomendações de vacinação, agora disponível para crianças e adolescentes a partir de 5 anos de idade, frisando a importância da imunização.  Até o momento, 87% da população mineira concluiu com o esquema vacinal contra a Covid. Destes, 25% receberam dose de reforço. 

O documento ainda destaca que 93% dos trabalhadores da educação de Minas estavam completamente imunizados (com duas doses ou com dose única) em dezembro de 2021, o que equivale a 337.912 profissionais. Já entre os 1,3 milhões de adolescentes de 12 a 17 anos, 77% já receberam ao menos a primeira dose, e 39% estão com o esquema vacinal completo.

“A escola tem papel fundamental na divulgação de informações corretas sobre a segurança das vacinas e na estimulação da imunização entre professores, funcionários, família e alunos elegíveis, fomentando a confiança nas vacinas e na divulgação de medidas de prevenção da Covid-19”, concluiu a subsecretária.

A íntegra do protocolo pode ser acessada neste link

(*) Com informações da Agência Minas

Leia mais:
Ocupação de leitos pediátricos para Covid passa de 50% em pelo menos três cidades da Grande BH
'Levem seus filhos para vacinar, pelo amor de Deus', pede Kalil após aumento de casos da Covid em BH
BH vai adiar volta às aulas de crianças de 5 a 11 anos para 14 de fevereiro, diz Kalil