O governador Romeu Zema (Novo) afirmou nesta quarta-feira (27), nas redes sociais, que o governo federal negou a suspensão da bandeira de escassez hídrica na conta de luz. Ele tinha feito o pedido em decorrência dos impactos da pandemia e das fortes chuvas que atingiram o Estado desde o mês passado.

A previsão inicial do governo federal é que a cobrança seja mantida, pelo menos, até abril. Entretanto, os reservatórios mineiros ficaram cheios por conta do temporais que atingiram Minas, deixando mais de 400 cidades em situação de emergência. Sem a "escessez hídrica" no Estado, Zema argumentou que a taxa poderia ser suspensa em território estadual.

Estabelecida em setembro de 2021, a bandeira vermelha da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) em seu segundo patamar, como é cobrada, prevê aumente de R$ 9,42 a cada 100 kWh consumidos. A Câmara de Regras Excepcionais para Gestão Hidroenergética (CREG) criou a bandeira na época para pagar os custos do acionamento de usinas térmicas – com ela, a cobrança na conta de luz sobe para R$ 14,20 a cada 100 kWh consumidos. 

Como consequência da crise hídrica pela qual passou o Brasil no ano passado, a bandeira foi aplicada como parte de uma adaptação para garantir o fornecimento de energia no país.

A reportagem entrou em contato com governo federal e aguarda retorno.

Leia mais:
Em Minas, 78% dos pacientes internados com Covid não tomaram nenhuma dose da vacina
Dnit retoma obras de desvio na BR-381, em Nova Era; Minas tem 101 pontos de interdição nesta quinta