Apesar do ciclo vacinal completo contra a Covid-19, a orientação de autoridades de saúde é para evitar eventos por conta da circulação da variante Ômicron. O alerta é do infectologista Unaí Tupinambás, médico do Comitê de Enfrentamento à Pandemia de Belo Horizonte.

“Não é o momento de ir em festivais, festas e shows. Mesmo estando com três doses você pode se infectar. É uma característica da Ômicron”, disse, em entrevista coletiva na sede da Prefeitura de BH, nesta quarta-feira (26). 

De acordo com o especialista, o risco de levar a infecção para dentro de casa é grande. “Você pode levar a infecção para o seu pai, sua mãe, seu avô. Aí sim, essas pessoas, mesmo com três doses, podem ter um curso mais grave”, completou.

Segundo Unaí, 15% dos internados por Covid em BH são pessoas acima de 75 anos ou com condições de saúde mais frágeis, como comorbidades. “A Ômicron não é uma gripinha, ela está pegando uma população experimentada, com vacina, ou com uma infecção passada”.

Além disso, o médico lembrou que as festas têm potencial de criarem novas cepas, o que retardaria o controle do vírus. “A gente tem que evitar esses eventos superespalhadores, caso contrário vai aparecer outra variante que pode ser tão problemática quanto (a Ômicron)”.

Diante da disparada de casos de coronavírus, a prefeitura mudou o protocolo para os eventos. A partir de segunda-feira (31), será exigido teste e cartão de vacinação, juntos, para comparecer. 

Leia mais:

Teste negativo e comprovante de vacinação serão exigidos juntos em todos os eventos em BH, diz Kalil
'Levem seus filhos para vacinar, pelo amor de Deus', pede Kalil após aumento de casos da Covid em BH
BH vai adiar volta às aulas de crianças de 5 a 11 anos para 14 de fevereiro, diz Kalil