Policiais penais de Minas denunciam abusos e maus-tratos sofridos durante curso preparatório para destacamento de elite da corporação em treinamentos em BH e região Metropolitana. Os casos foram relatados ao Sindicato dos Policiais Penais (Sindppen) e repassados à Secretaria de Justiça e Segurança Pública do Estado (Sejusp-MG), que abriu investigação.

De acordo com o sindicato, as agressões tiveram início em 3 de janeiro, primeiro dia do Curso de Operações Prisionais Especiais (Copesp), mas só começaram a ser denunciadas semanas depois. O diretor-executivo do Sindppen, Patrick Castro, acredita que os alunos tenham sido encorajados após divulgação de um vídeo que mostra agressões em um curso da Polícia Militar, no último domingo (23).

A preparação para formar policiais do Comando de Operações Especiais (Cope) começou com 126 candidatos e, nesta quarta (26), conta com apenas 19, segundo o sindicato. O destacamento é responsável por lidar com  situações de alta periculosidade, como motins e rebeliões em cadeias.

Em fotos enviadas ao Sindppen e disponibilizadas ao Hoje em Dia (veja no fim da matéria), alunos expõem lesões nas mãos, pernas e nádegas. 

A Sejusp informa que tomou conhecimento das imagens por meio da Unidade de Treinamento (Utre) e apura a veracidade das informações. A investigação em curso busca averiguar possíveis excessos cometidos durante o curso e também responsabilizar quem eventualmente veiculou imagens inverídicas.

Leia mais:
Somente R$ 900 mil 'esquecidos' nos bancos foram resgatados; total chega a R$ 8 bilhões
Ansiedade, transtornos, agressividade: o que a avaliação psicológica considera para porte de arma