Nesta terça-feira (25), completam-se três anos do rompimento da barragem da mina Córrego do Feijão, em Brumadinho, Região Metropolitana de Belo Horizonte. Com ainda seis corpos desaparecidos, as vidas perdidas na tragédia receberam diversas homenagens realizadas por familiares, entidades e autoridades em todo o Estado. 

Na manhã desta terça, uma missa foi celebrada pelo arcebispo de Belo Horizonte e presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Dom Walmor Oliveira de Azevedo, no Santuário Arquidiocesano Nossa Senhora do Rosário. O religioso levou palavras de esperança e encorajamento, à luz do exemplo do Apóstolo Paulo, a todas as famílias que ainda sofrem com o luto das perdas no rompimento da barragem.

“Saúde e paz a todas as famílias que vivem como vivemos nós, com o coração apertado, o luto pelas vítimas dessa tragédia-crime hoje completando três anos. Quero, em primeiro lugar, fazer-lhes uma grande reverência”, disse o arcebispo. Dom Walmor pediu ainda um momento de silêncio, convidando os fiéis a levantarem as placas com os nomes das vítimas, guardadas no coração e na saudade.

Missa Brumadinho Dom Walmor

Monumento na Cidade Administrativa

Em memória das vítimas, a Cidade Administrativa Presidente Tancredo Neves, na região Norte da capital, vai receber um monumento construído pelo Governo Estadual e o Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico (Iepha-MG).

Através de um edital lançado nesta terça-feira, o Governo de Minas irá escolher a melhor proposta de monumento em um concurso nacional de projetos.

De acordo com o governador Romeu Zema, integrantes da Associação dos Familiares de Vítimas e Atingidos pelo Rompimento da Barragem Mina Córrego do Feijão em Brumadinho (Avabrum) participarão do processo de seleção da escultura.

“O monumento será construído na Cidade Administrativa para que este desastre nunca seja esquecido pelo poder público. É importante que não apenas este governo, mas todos os outros que virão não esqueçam Brumadinho”, afirmou Zema.

Dia de Luto em Memória das Vítimas do Rompimento da Barragem

O dia 25 de janeiro ficou instituído como o Dia de Luto em Memória das Vítimas do Rompimento da Barragem 1 da Mina Córrego do Feijão. Nessa data, as bandeiras das repartições públicas do Estado devem permanecer hasteadas a meio mastro e será realizado um minuto de silêncio nos eventos oficiais.

Na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), deputados realizam uma homenagem às 272 vítimas fatais da tragédia para lembrar o Dia de Luto. A solenidade, iniciada às 12h28, hora exata em que ocorreu o rompimento da barragem, foi marcada pelo arriamento das bandeiras de Minas Gerais e de Belo Horizonte, realizado pelo presidente da Assembleia, deputado Agostinho Patrus (PV), e outros parlamentares. Elas ficarão a meio mastro durante todo o dia.

Após a solenidade, os parlamentares se deslocaram para o Memorial em homenagem às vítimas para colocarem rosas brancas junto à coroa de flores depositada no local. Neste mesmo momento, um bombeiro militar realizou o toque de silêncio (veja vídeo abaixo).

Para o presidente da ALMG, a cerimônia tem o objetivo de evitar que erros semelhantes sejam cometidos além de fazer com que o crime nunca seja esquecido.

Memorial em Brumadinho

Para lembrar as histórias das 272 vítimas do rompimento da barragem, está sendo construído em Brumadinho um espaço em homenagem às vidas perdidas. A previsão é que o memorial fique pronto em 2023. A Associação dos Familiares de Vítimas e Atingidos pelo Rompimento da Barragem Mina Córrego do Feijão em Brumadinho (Avabrum) selecionou o local e o projeto arquitetônico.

“O memorial traz uma marca. Para os familiares, será um local que contará a história do crime e um lugar daqueles que foram vitimados”, declarou Kenya Lamounier, membro da comissão fiscal da Avabrum. Ela perdeu o marido na tragédia.

A mineradora Vale é responsável pela construção e pela manutenção vitalícia do memorial. O Governo de Minas Gerais, por meio do Comitê Gestor Pró-Brumadinho, acompanha as tratativas em apoio à Avabrum em conjunto com o Ministério Público de Minas Gerais e a Defensoria Pública de Minas Gerais.

Memorial em Brumadinho


Leia também:
Processo criminal da tragédia em Brumadinho pode voltar à estaca zero

Três anos após tragédia, uso de antidepressivos e tentativas de suicídio disparam em Brumadinho