Representantes dos setores de comércio e de serviços de Belo Horizonte se posicionaram contra a possível restrição das atividades comerciais sinalizadas pelo Secretário Municipal de Saúde, Jackson Machado, na última sexta-feira (21), diante do avanço da variante Ômicron na cidade.

Nesta segunda-feira (24), 17 entidades se reuniram na Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH) e criaram um documento reivindicando que a Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) encontre alternativas para conter o avanço da cepa do coronavírus sem prejudicar comércio, bares e restaurantes.

No documento, o grupo ainda solicita uma reunião com o prefeito da capital, Alexandre Kalil, para discutir formas de conter o avanço da Covid-19, sem penalizar estabelecimentos e trabalhadores do setor econômico. As entidades afirmam que "é absolutamente inadmissível sequer imaginar tal
possibilidade" e apontam que, em entrevistas anteriores, o próprio secretário de saúde já havia descartado a hipótese de lockdown.

Durante o encontro, o presidente da CDL/BH, Marcelo de Souza e Silva desabafou: "Somos a cidade onde o comércio ficou mais tempo fechado ao longo de 2020 e 2021. O setor não suportará um novo fechamento ou redução do horário das atividades (…) Precisamos de um melhor planejamento da PBH para combater a Ômicron, no sentido de preservar a saúde das pessoas e garantir que os setores de comércio e serviços não sejam fechados novamente", declarou.

Em outro trecho do documento, as entidades afirmam que um novo fechamento do comércio na capital, como única maneira de enfrentar o aumento de casos da Covid 19, irá sacrificar o setor que mais emprega a população de BH.

Segundo o manifesto, na semana passada, a Prefeitura divulgou que mais de 80% dos casos de internação na capital mineira são de pessoas que não se vacinaram. "É mais um fato que comprova claramente que não é o comércio aberto que está provocando o aumento do número de casos", conclui o documento.

Nesta quarta-feira (26), o Comitê de Enfrentamento da Covid em BH irá decidir sobre novas medidas para conter o avanço da doença na capital. De acordo com Jackson Machado, "a última coisa que passa na nossa cabeça é colocar na cidade qualquer medida restritiva", declarou.

Na última semana, o Conselho Municipal de Saúde de BH  (CMSBH) solicitou à PBH diversas medidas emergenciais para conter o coronavírus, como cancelamento de mega eventos; permitir o acesso somente de pessoas vacinadas a locais públicos como bares, restaurantes e teatro; e ampliação da vacinação.

O CMSBH declarou que não propõe o fechamento do comércio levando em consideração a preocupação com a situação econômica dos pequenos e médios comerciantes e a menor letalidade da doença entre as pessoas vacinadas.

Pico de casos ainda está por vir 
Na última sexta-feira (21), o secretário municipal de saúde, Jackson Machado, não descartou a possibilidade de adotar medidas restritivas para grandes eventos, como festas privadas de Carnaval e público máximo em jogos de futebol. Na ocasião, o secretário afirmou ainda que até mesmo cancelamentos de eventos são cogitados diante do avanço da variante Ômicron na cidade.

Também na sexta, o secretário estadual de saúde, Fábio Baccheretti, declarou que o pico da pandemia no Estado deve ser alcançado até 1º de fevereiro. Na quarta-feira (19), Minas bateu recorde de infecções em 24h, com 27.683 notificações da doença registradas no território mineiro.

Assinam o manifesto as seguintes entidades:

  • ABIHMG - Associação Brasileira da Indústria de Hotéis
  • ABRASEL - Associação Brasileira de Bares e Restaurantes
  • ACMINAS - Associação Comercial do Estado de Minas Gerais
  • AMEM - Associação Mineira das Empresas de Moda
  • Associação de Comerciantes do Hipercentro
  • ASSOVEMG - Associação dos Revendedores de Veículos no Estado de Minas Gerais
  • CDL/BH - Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte
  • CMI-SECOVI/MG - Câmara do Mercado Imobiliário
  • FECEMG - Federação dos Clubes do Estado de Minas Gerais
  • Galeria do Ouvidor
  • MINASPETRO - Sindicato do Comércio Varejista de Derivados
  • SENAGIC/MG - Sindicato dos Estabelecimentos de Natação, Ginástica, Recreação e
  • Cultura Física de Minas Gerais
  • SINCATEVA BH - Sindicato do Comércio Atacadista de Tecidos, Vestuário e Armarinhos
  • de Belo Horizonte
  • SINCOEMG - Sindicato dos Lotéricos de Minas Gerais
  • SINCOPEÇAS BH - Sindicato do Comércio Varejista de Automóveis e Acessórios de Belo
  • Horizonte
  • SINDBELEZA MG - Sindicato dos Barbeiros e Cabeleireiros e Institutos de Beleza e
  • Similares
  • SINDLOC-MG - Sindicato das Empresas Locadoras de Automóveis do Estado de Minas
  • Gerais

Leia mais:
Após demanda aumentar mais de 100%, Hospital Infantil João Paulo II, em BH, terá novos leitos
UAI Praça 7 permanece fechada até a próxima segunda-feira; veja onde buscar atendimento