Em resposta à alta demanda de casos respiratórios, intensificada pela variante ômicron do coronavírus, a Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig) informou, nesta segunda-feira (24), que está aumentando o número de leitos no Hospital Infantil João Paulo II e contratando novos profissionais.

Nos últimos meses, segundo a Fhemig, houve um aumento de demanda de mais de 100% nos atendimentos pediátricos de urgência. Nesta semana, o hospital atingiu a capacidade máxima, com 100% das vagas ocupadas na unidade.

Serão abertos, gradualmente, dez novos leitos de CTI pediátrico, o que depende da disponibilização de equipes completas para atendimento.

Segundo a entidade, a capacidade de atendimento no local chegou a ser dobrada nas últimas semanas, com contratações de novos profissionais por meio de processo seletivo simplificado. Entretanto, muitos funcionários estão sendo afastados por suspeita e confirmação de Covid-19, o que tem prejudicado o quadro de profissionais.

"Temos dificuldade de reposição. Ampliamos o número de vagas, ofertamos mais plantões, conseguimos contratar mais pessoas, mas a escala fica defasada por esse motivo", esclarece Fabrício Giarola, diretor do Complexo Hospitalar de Urgência da Fhemig.

O diretor reiterou, ainda, a importância da vacinação infantil. "É fundamental que as crianças sejam vacinadas para que a gente consiga reduzir esse impacto na saúde da população".

Atendimentos

Somente no sábado (22), foram realizados 131 atendimentos no João Paulo II, sendo 76 casos de doenças respiratórias. No domingo (23), foram 118 pacientes, 53 com sintomas gripais.

O número de atendimentos em janeiro tem estimativa de chegar a 6 mil pacientes, com média de 192 por dia. Desses, 62% correspondem a casos de doenças respiratórias. Em outubro, por exemplo, foram cerca de 3 mil. 

O João Paulo II possui, até então, 105 leitos de enfermaria, 16 leitos de Terapia Intensiva (UTI) Pediátrica e outros 18 na sala de decisão clínica (SDC). 

Leia Mais:
Material escolar em BH está até 132% mais caro em comparação com o período pré-pandemia