Atraso no pagamento de salários e benefícios sociais, como vale-alimentação, seguro saúde e de vida. Esses são os motivos alegados pelos funcionários da Viação Transoeste para a realização da greve desta segunda-feira (24), que afeta as viagens de 23 linhas em Belo Horizonte.

De acordo com o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Belo Horizonte (SetraBH) a empresa afirmou que a situação se deve pelo “exaurimento dos seus meios financeiros”. 

“O sindicato está em contato direto com Consórcio Dez, da qual faz parte a empresa Viação Transoeste, para tentar minimizar os impactos para a população”, disse, em nota.

Em 13 de janeiro, a Transoeste foi uma das empresas que suspenderam as atividades por falta de recursos financeiros para comprar combustível. Os coletivos só voltaram a circular após reunião com o prefeito Alexandre Kalil (PSD), com a liberação de R$ 4,3 milhões para as que haviam colapsado. 

Leia mais:

Sobe para 23 o número de linhas paralisadas por greve de empresa de ônibus em BH; saiba quais
Rodovias mineiras têm 100 pontos de interdição; saída para o litoral será fechada ao meio dia