A cantora Elza Soares, um dos maiores nomes da música brasileira, faleceu na tarde desta quinta-feira, aos 91 anos, de causas naturais, em sua casa no Rio de Janeiro. 

O anúncio da morte da cantora foi feito em uma publicação nas redes sociais por familiares e equipe.

“É com muita tristeza e pesar que informamos o falecimento da cantora e compositora Elza Soares. (...) Ícone da música brasileira, considerada uma das maiores artistas do mundo, a cantora eleita como a Voz do Milênio teve uma vida apoteótica, intensa, que emocionou o mundo com sua voz, sua força e sua determinação. A amada e eterna Elza descansou, mas estará para sempre na história da música e em nossos corações e dos milhares fãs por todo mundo”. 

Biografia 

A carioca Elza nasceu em 1930 e foi criada em uma favela. Filha de lavadeira, casou-se aos 12 anos e aos 13 já era mãe. 

Seu primeiro sucesso foi o compacto álbum “Se Acaso Você Chegasse”, em 1960.

Em seguida mudou-se para São Paulo, onde passou a se apresentar em diversas casas de espetáculos, fazendo sucesso com sua voz rouca e marcante.

Depois de gravar seu segundo disco, “Bossa Negra”, viajou para o Chile em 1962 como representante do Brasil na copa do mundo. Foi então que conheceu o jogador Mané Garrincha, seu segundo marido. 

Com seu estilo despachado, exagerado, Elza conquistou plateias no Brasil e no mundo, passando temporadas nos EUA e Europa. 

Considerada uma vanguardista, a cantora é descrita como ousada, atemporal, e abria espaço para diversas tendências artísticas.

Atualmente, a artista estava envolvida em um projeto denominado “A Mulher do Fim do Mundo”, sob produção musical de Guilherme Kastrup, que uniu a cena musical da vanguarda paulista à voz da cantora.

No início deste mês, Elza Soares divulgou em suas redes sociais a agenda com os próximos shows. 
“Estou muito animada com a volta aos palcos e com essa agenda linda de shows que já estão programados pra vocês”. 

Rio de Janeiro, São Paulo, Curitiba e Belo Horizonte estavam na lista. Na capital a cantora que se apresentaria no Festival Sarará, no dia 27 de agosto. 

Leia também:
Servas pede água, alimentos e outros materiais para atingidos pelas chuvas; roupa não precisa mais

Três anos após Brumadinho, 90% das barragens a montante ainda não foram descomissionadas em Minas