A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou o uso emergencial do imunizante contra Covid-19 da Coronavac para crianças de 6 a 17 anos, exceto em casos de menores imunossuprimidos. A decisão foi tomada nesta quinta-feira (20), durante reunião extraordinária pública da Diretoria Colegiada da Anvisa. Todos os cinco diretores da agência votaram a favor.

Com a decisão, pessoas nessa faixa etária com comorbidades também poderão receber a vacina, que será aplicada em duas doses, com intervalo de 28 dias. O produto será o mesmo utilizado atualmente na imunização de adultos, sem qualquer tipo de adaptação para versão pediátrica. A aprovação chega após um novo pedido de uso emergencial feito pelo Instituto Butantan, em 15 de dezembro do ano passado.

O diretor da agência, Alex Machado Campos, afirmou que, por ser produzida com vírus inativado, uma plataforma tecnológica conhecida e tradicional, a Coronavac dá mais um suporte de segurança para uso no público pediátrico. “Os benefícios conhecidos são muito maiores do que os riscos potencialmente envolvidos, seja da tecnologia, seja da possibilidade de não ter a terapia para tratar das crianças. Vacina salva e ignorância mata”, alertou o diretor.

Outra diretora da agência, Meiruze Sousa Freitas, lembrou que as vacinas de vírus inativado, como a CoronaVac, continuam sendo importantes para prevenir hospitalizações e mortes por Covid-19. “Aprovar o uso de mais uma vacina pediátrica é ampliar o direito do acesso ao imunobiológico que tem a finalidade de proteger a saúde, em especial em um momento em que há aumento da disseminação da variante ômicron, e a livre vontade da grande maioria dos pais para vacinar os seus filhos”, assinalou.

Durante a reunião, o gerente-geral da Gerência-Geral de Medicamentos e Produtos Biológicos (GGMED), Gustavo Mendes, declarou que, ao observar os dados, “a gente vê uma perspectiva e um indicador importantíssimo do perfil de desempenho da vacina, especificamente no que diz respeito à doença sintomática da Covid-19 e à hospitalização em crianças. A totalidade das evidências científicas sugere que há benefícios e segurança para a utilização da vacina na população pediátrica”, explicou.

Ensaios clínicos em crianças e adolescentes

Os ensaios clínicos de fase 1 e 2 da CoronaVac foram realizados na China com crianças e adolescentes de 3 a 17 anos, que tomaram duas doses com intervalo de 28 dias, e provaram que a vacina é segura e eficaz. Na fase 1, participaram 71 jovens; 28 dias após a vacinação, 100% deles apresentaram anticorpos. Na fase 2, participaram 479 crianças e adolescentes; no grupo que recebeu dosagem de 1,5µg, 96% dos participantes apresentaram anticorpos; no grupo que recebeu 3µg, este número foi de 100%. As reações adversas foram de leves a moderadas, sendo dor no local da aplicação e febre as mais comuns, com desaparecimento dos sintomas em até 48 horas. Os resultados foram publicados em junho na revista científica The Lancet Infectious Diseases.

Leia também:
Apenas 20% das crianças do grupo prioritário receberam a vacina pediátrica contra Covid-19 em BH
Caixa paga nesta quinta o Auxílio Brasil para famílias cadastradas com NIS final 3