Ao menos cinco empresas são alvo de investigação da Polícia Civil, por meio do Comitê Interinstitucional de Recuperação de Ativos (CIRA), suspeitas de sonegação fiscal no Vale do Aço. Nesta quarta-feira (19), dez mandados de busca e apreensão serão cumpridos na chamada "operação Tabela Periódica".

As empresas investigadas são suspeitas de apropriação indébita de valores do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). Segundo a PC, os estabelecimentos, que fornecem produtos químicos para indústrias da região, teriam deixado de declarar e recolher o imposto devido, sonegando valores que superam R$ 30 milhões.

Além das empresas, um escritório de contabilidade e quatro residências são alvos dos mandados. Todos serão cumpridos em Ipatinga, Santana do Paraíso, Timóteo, Coronel Fabriciano e Iapu.

As investigações apontam que o grupo declara o imposto devido, mas não o recolhe aos cofres públicos. Com isso, a Receita Estadual envia o crédito tributário para a Procuradoria do Estado, mas, na execução fiscal, não são localizados bens que possam garantir o pagamento da dívida tributária.

Segundo Karla Hermont, delegada da Polícia Civil, “a investigação apura ainda a criação sucessiva de pessoas jurídicas como parte da estratégia para prática dos crimes tributários”, acrescentando que “dessa forma, a comprovação da existência de um grupo econômico é importante para a responsabilização dos investigados por todo o crédito tributário".

Participam da operação 30 servidores da Receita Estadual, três promotores de Justiça e 35 policiais civis.

Leia mais:
Casas e comércios atingidos pela chuva em Minas terão isenção na conta da Copasa; veja condições
Minas tem 99 pontos de interdição em decorrência das chuvas nesta quarta; saiba onde