O secretário de cultura e turismo de Minas Gerais, Leônidas Oliveira, anunciou, nesta terça-feira (18), investimento de R$ 36 milhões para a recuperação e proteção dos patrimônios históricos de Ouro Preto, na região Central do Estado, atingidos pelas chuvas do início do ano. A iniciativa foi lançada em conjunto com a Fundação de Arte de Ouro Preto (Faop), com o Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico (Iepha) e com a Prefeitura de Ouro Preto.

A ação faz parte do projeto Restaura Minas, que destinará R$ 118 milhões ao Patrimônio Histórico de todo o Estado. Desse montante, R$ 82 milhões serão aplicados em editais que preveem reformas emergenciais, recuperação e melhorias em casarões, capelas, igrejas e outros imóveis, sejam públicos ou privados, tombados nos âmbitos estadual e federal, em todo o território mineiro. Conforme a Secretaria de Estado de Cultura e Turismo, dentre as obras previstas, estão, por exemplo, pinturas e intervenções em calhas e telhados.

Sobre o investimento em Ouro Preto, Leônidas Oliveira explica que foi criado um grupo de trabalho em três eixos: segurança, salva-guarda e proteção. O investimento em segurança será de R$ 36 milhões, e será uma parceria entre o Governo Federal, o Governo de Minas e a Prefeitura da cidade.

"Em um segundo momento, vamos salva-guardar o casarão que neste momento encontra-se em solo. É preciso fazer uma arqueologia da arquitetura. Ou seja, buscar os elementos que sobreviveram a essa tragédia. Esse trabalho nos dará subsídio, inclusive para tomada de decisões para o que fazer depois. O terceiro momento é a promoção de Ouro Preto, esse grande monumento mundial, como um destino de patrimônio histórico, de cultura e de mineiridade", afirmou o secretário. 

Leia também
Minas tem mais de 1 milhão de pessoas com a vacinação contra a Covid-19 atrasada, diz Zema
Com quase 21 mil doentes em 24h, Minas bate recorde de casos da Covid-19