As linhas que tiveram o serviço suspenso nessa quinta-feira (13) podem voltar a circular já nesta sexta (14) na capital. Uma negociação realizada entre a Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) e representantes do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Belo Horizonte (Setra) pode resultar na liberaração de mais de R$ 4 milhões para socorrer as empresas.

Em reunião realizada nesta quinta-feira (13) com o sindicato, o prefeito de BH, Alexandre Kalil, disse que a prefeitura foi pega de surpresa com a situação, mas que, seguindo o contrato firmado com o consórcio das empresas de transporte e a PBH, é possível movimentar o valor de RS 4 ,3 mi para as empresas de transporte. “Nós temos um dinheiro que é retido do Detran que é o FGE. De acordo com o contrato, a prefeitura pode usar esse dinheiro para momentos de desequilíbrio. Isso é contratual. Estamos seguindo o contrato”, declarou.

No entanto, Kalil afirmou que o recurso não é da prefeitura e só poderá ser transferido mediante liberação do Ministério Público, que será notificado ainda nesta quinta. Segundo o chefe do executivo, assim que o recurso estiver disponível, a operação das linhas será retomada.

O presidente do conselho do Setra, Robson Lessa, participou da negociação com a PBH e declarou que, com a disponibilização do recurso, a primeira ação a ser feita é a compra de óleo diesel para os ônibus que estão parados. “Vamos promover a volta do ônibus porque a população está sofrendo”, declarou. O representante das empresas de transporte confirmou que o dinheiro também será usado para pagar a folha de pagamento dos motoristas. 

Lessa explicou ainda que um veículo consome aproximadamente 10 mil litros de diesel por dia. Com o preço do combustível a cerca de R$ 5,00, ele explicou que será necessário repassar R$ 50 mil por dia para as empresas que suspenderam o serviço possam voltar a operar. 

Leia mais:
Veja quais linhas de ônibus não estão circulando nesta quinta em BH
Suspensão da circulação de ônibus deixa passageiros 'na mão' na Estação Diamante, em BH

Passageiros, pegos de surpresa, buscam alternativas para chegar ao trabalho