Minas vem registrando consecutivas altas de casos de Covid-19. Na quarta-feira (12), o Estado confirmou 18 mil notificações em 24 horas, o maior desde o início da pandemia  e bem acima dos dados computados no período de pico da doença, no ano passado.  

Nesta quinta (13), Minas passou de 2,3 milhões de contaminados pelo coronavírus após registrar mais 15 mil casos. Ainda assim, o território mineiro não atingiu novo pico da doença. Um cenáfio ainda pior deve ocorrer daqui duas ou três semanas. Até lá, as notificações continuarão em alta.

A informação é do secretário de Estado de Saúde, Fábio Baccheretti. “A média móvel vai subindo. Iremos ter mais do que 18 mil casos diários na próxima semana, não tenho dúvida. Iremos aumentar e nosso pico vai ser muito alto. Muito acima do que vivenciamos no ano passado”, disse, esta quarta, na Cidade Administrativa, em Belo Horizonte. 

No Estado, o número de óbitos, no entanto, não vem acompanhando o aumento de casos. A justificativa é o avanço da vacinação. Até o momento, são mais de 15,6 milhões de imunizados com duas doses, o que representa 86% da população. Já a terceira dose foi aplicada em 3,6 milhões de pessoas (20%).

Diante deste cenário e para evitar que os dados relacionados à doença continuem disparando, o secretário orienta que a população busque o reforço. Hoje, cerca de 3 milhões de pessoas aptas ainda não garantiram a terceira dose.  

“Esse número não é exato, mas muita gente ainda não recebeu o reforço. A gente vem aumentando as campanhas para que as pessoas entendam o papel da vacina e vem conversando para que os municípios façam busca ativa. O reforço se mostra muito importante para a variante Ômicron, então a gente tem que garantir”, finalizou.

Leia mais:
Vacinação contra a Covid-19 não será obrigatória em retorno às aulas em Minas
Minas recebe primeira remessa de vacinas da Pfizer para crianças nesta sexta, com 110 mil doses
Coronavírus contaminou 2,3 milhões de pessoas em Minas; 15 mil casos foram registrados em 24 horas