O prefeito de Capitólio, Cristiano Silva (PP), afirmou estar “transtornado” com a tragédia envolvendo embarcações no lago de Furnas, neste sábado (8). Cinco pessoas morreram e 32 ficaram feridas. Ele destacou que não há legislação que proíba a permanência dos barcos próximo aos paredões do cânion.

“Estamos todos transtornados, com esse desastre natural que aconteceu agora por volta de 12h30. Estamos em estado de choque com esse acontecido e somos solidários às vítimas, os feridos e os óbitos”, contou Silva. 

A declaração foi feita em um vídeo publicado nas redes sociais da prefeitura da cidade. Nele, Silva explica, também, que a ação rápida do Corpo de Bombeiros e da Marinha foi essencial para o atendimento e retirada dos feridos de dentro do lago.  

“Foi um desastre natural, nunca vimos isso acontecer. É uma coisa inédita. Então, a gente falar que chegou muito perto não faz muito sentido. A gente tem esse tráfego turístico ali há muitos anos e isso nunca havia acontecido. Fica difícil a gente afirmar se estavam muito perto ou não”, disse.

Segundo o Corpo de Bombeiros, pelo menos três embarcações foram atingidas pelo desabamento da rocha, duas delas afundaram. É possível que mais veículos tenham sido afetados.

Leia mais
Tragédia com deslizamento de rocha em Capitólio deixa duas mortes e 32 feridos
Vídeos de diferentes ângulos mostram desespero de turistas na hora da queda de paredão em Capitólio
Marinha vai abrir inquérito para investigar queda de paredão em Capitólio
'Sofremos hoje a dor de uma tragédia', diz Romeu Zema sobre acidente com lanchas em Capitólio