No vale-tudo para ficar super bronzeado durante o verão, métodos caseiros ou artificiais para ganhar aquela “corzinha” escondem riscos à saúde. Na lista, queimaduras, manchas, envelhecimento precoce e até mesmo câncer.

Na busca pela “marquinha perfeita”, muitas pessoas ainda recorrem a plantas ou frutas para passar diretamente no corpo.

“Essas receitas podem reagir com o pH da pele e provocar reações alérgicas”, alerta a coordenadora do curso de Estética e Cosmética das Faculdades Promove, Lilian Oliveira.

Produtos à base de óleo mineral – como parafina e vaselina – também são vilões. “Não são absorvidos pela pele, além de tamponar os poros e impedir a transpiração natural”, acrescenta a professora.

Outro perigo é o famoso bronzeamento de fita. “O que vemos na maioria dos casos é o uso de produtos sem registro e procedimentos que expõem a pessoa ao sol com material feito até mesmo de fita isolante, tóxica à pele”, afirma Lilian Oliveira. 

A Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) reforçou o alerta para a exposição solar exagerada e desprotegida, ainda mais frequente nessa época do ano. 

Membro da entidade, a médica Nádia Bavoso destaca os perigos do envelhecimento precoce para quem fica no sol sem proteção. “Acelera o processo da perda da elasticidade e das fibras de colágeno”.

Marquinha saudável 
É possível obter a cor do verão até com o uso correto do protetor solar, garantindo um bronzeamento menos agressivo. O pós bronzeamento também exige cuidados. “O ideal é hidratar bastante a pele para ficar com uma boa textura e uniforme. Evitar usar buchas e banhos quentes”, ensina a esteticista e biomédica Naiara Soares.

O horário mais indicado é sempre antes das 10h ou depois das 16h, quando a emissão de raios ultravioleta é menor.

Naiara Soares diz que é possível também recorrer ao autobronzeamento, que pode ser feito com um jato ou cosméticos. Porém, a pessoa deve procurar um profissional devidamente capacitado.

“Esse método possui uma substância que, em contato com a pele, vai pigmentar a superfície de forma saudável, sem estimular a melanina do corpo”.

Alimentação

A cor perfeita não depende só dos cuidados com a pele. Uma boa alimentação pode ajudar, reforça a nutricionista e coordenadora do curso de Nutrição das Faculdades Kennedy, Natália de Carvalho Teixeira.

“Dentre os nutrientes mais reconhecidos para o bronzeado saudável e bonito estão o caroteno, pigmento existente em diversos alimentos como cenoura, abóbora, manga, laranja e beterraba, e as vitaminas do Complexo B como feijão, vegetais verdes escuros, couve e brócolis. Eles ainda ajudam a fixar a pigmentação da cor”.

Beber bastante água, suco de cenoura e água de coco também ajuda. Já os alimentos antioxidantes têm potencial para regenerar os danos resultantes da exposição solar. Dentre eles, frutas cítricas ricas em Vitamina C.

Leia mais:

Entenda o tromboembolismo pulmonar; doença causou a morte do sertanejo Maurílio

Vacinas usadas no Brasil aumentam proteção de quem já teve Covid-19, diz estudo da Fiocruz