Em meio a um aumento de casos de doenças respiratórias e sobrecarga das Unidades de Pronto Atendimento (UPAs), Belo Horizonte espera prolongar o horário de funcionamento de nove centros de saúde da capital a partir de 1° de janeiro de 2022. O início dessa operação, no entanto, depende da contratação de profissionais de saúde.

Em entrevista coletiva na tarde desta quarta-feira (29), o secretário de Saúde de BH, Jackson Machado, anunciou que cada uma das nove regionais de BH terá um Centro de Saúde com horário de atendimento das 7h às 22h30 em dias de semana e das 7h às 22h em fins de semana e feriados.

Ainda segundo o secretário, nos centros de saúde, nas últimas duas semanas, houve um aumento de 46% no número de atendimento a casos sintomáticos respiratórios. "Nas nossas nove UPAs que faziam um atendimento diário em torno de 2 mil pessoas, no último dia 27 atendeu 5353 pessoas", apontou o secretário.

O início das operações com novos horários, no entanto, depende do preenchimento de 90 vagas totais. Cada centro tem vaga para 2 médicos, 2 enfermeiros, 5 técnicos de enfermagem e 1 vaga administrativa. 

A prefeitura espera preencher as vagas até o dia 1°, mas, caso não seja possível, a ampliação dos horários acompanhará o ritmo de contratações para cada unidade.

Os Centros de Saúde contemplados são:

Regional Barreiro: Tirol
Regional Centro-Sul: Nossa Senhora Aparecida
Regional Leste: Vera Cruz
Regional Nordeste: Cachoeirinha
Regional Noroeste: Califórnia 
Regional Norte: Floramar
Regional Oeste: Vila Imperial
Regional Pampulha: Santa Terezinha
Regional Venda Nova: Jardim Europa 

"A estrutura física da unidade para permitir maior conforto, a capacidade de receber novos profissionais, ter consultórios disponíveis, por exemplo, e uma possível proximidade com a UPA que é um fator determinante, mas não tão importante quanto os outros", disse Machado sobre os critérios de escolha para os Centros de Saúde que terão funcionamento estendido. 

Leia Mais:
UAIs Barreiro e Venda Nova passam a realizar serviços do Detran-MG
Ônibus que caiu no barranco em João Monlevade carregava quatro vezes mais passageiros