O Metrô de Belo Horizonte seguirá funcionando em escala mínima. A decisão vem após a audiência de conciliação entre trabalhadores e Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) terminar sem acordo no Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região (TRT-3) na tarde desta segunda-feira (27).

Os metroviários farão uma assembleia na Praça da Estação, região Central de BH, às 14h desta terça-feira (28), para decidir o futuro da paralisação, que se iniciou na quinta (23).

Na audiência, o desembargador Fernando Luiz Gonçalves Rio Neto determinou que os trabalhadores apresentem uma carta de proposições à CBTU no prazo máximo de cinco dias úteis.

Durante a reunião, o Sindicato dos Empregados em Transportes Metroviários e Conexos de Minas Gerais (Sindimetro-MG) propôs que a resolução do governo federal que impede a transferência dos trabalhadores lotados em BH para outras unidades da CBTU fosse suspensa durante as negociações.

Se aceita a proposta do sindicato, a greve também seria suspensa. Os representantes da CBTU, porém, afirmaram que não seria possível adiar os efeitos da resolução porque ela partiu de um órgão hierarquicamente superior, o Conselho do Programa de Parcerias de Investimentos (CPPI).

Diante do impasse, o desembargador determinou o prazo para que o Sindimetro apresente, formalmente, propostas à CBTU. A companhia então encaminhará um documento ao governo federal para que as negociações avancem com a participação da União.

De acordo com a assessoria do sindicato dos trabalhadores, a greve está mantida e qualquer mudança será tomada após a assembleia marcada para esta terça.

Em escala mínima, o metrô atende à população apenas nos horários de pico, das 5h30 às 10h e das 16h30 às 20h. Fora desses intervalos, as estações ficam fechadas.

Leia mais:
BH pode ter pancadas de chuva todo dia até o Réveillon; temperatura deve cair a partir de quarta
Prazo para renegociar dívidas com a prefeitura de BH termina nesta segunda