O movimento na Feira Hippie, em Belo Horizonte, surpreendeu os expositores, que não esperavam muitos clientes neste domingo (26), um dia após o Natal. A tradicional feira na avenida Afonso Pena teve horário estendido até 15h

Por volta das 14h, o movimento começou a diminuir, mas o saldo das vendas durante a manhã foi comemorado pelos feirantes. 

Para Antônio Carlos da Silva, de 60 anos, as vendas deste domingo (26) foram similares às da feira na semana anterior.   

"O faturamento foi nivelado com o Natal. Superou as expectativas, porque eu não vim muito animado não" disse o feirante, que vende acessórios e bijuterias.

Comerciante feira hippie

Dono de uma barraca de acessórios e bijuterias, Antônio Carlos disse que as vendas foram similares às da semana anterior ao Natal 

Sabrina Cristina, 28, disse que o funcionamento estendido ajudou na venda das bolsas em sua barraca. "Esse horário está muito bom, porque as pessoas ainda estão comprando. Vou ficar até às 15h. Às vezes, não deu tempo de comprar no dia do Natal, ou o pessoal aproveita os preços mais baixos hoje", conta a feirante que fez promoções especiais neste domingo.

Além da oportunidade de boas compras, a Feira Hippie é um ponto turístico e atrai quem está de passagem pela capital mineira.

Caso de John, de 45, e Jenifer, de 37, que vieram de Baixo Guandu, no Espírito Santo, e aproveitaram para passar na feira da Afonso Pena.

Sabrina Cristina vendedora de bolsas e acessórios da Feira HippieA vendedora de acessórios Sabrina Cristina diz ter sido beneficiada pela maior duração da feira

"Vim passar o Natal em BH para rever meu irmão que não via há muito tempo, por conta da pandemia. Aproveitamos e viemos conhecer a feira. Já compramos roupa, bijuteria, óculos, boné..." conta Jenifer, que também levou os filhos às compras.

Enquanto os feirantes se preparavam para as últimas vendas no início da tarde, o setor da feira  com barracas de comida funcionava a todo vapor e era, de longe, o mais movimentado.

Feira Hippie vendedor Silvio MotaO vendedor de acarajé Silvio Mota gostou do horário estendido da Feira de Artesanato

Silvio Mota, de 36, comemorou o funcionamento estendido da feira, o que beneficiou na venda de acarajés na barraca.

"Pra gente foi muito bom, porque o pessoal começa a comer mesmo lá pras 10h", disse o feirante, que vem de Ribeirão das Neves para trabalhar no centro de BH.

Quem passou a manhã comprando na feira aproveitou o início da tarde para almoçar na rua e se refrescar do forte calor na capital. Lucimara Amorim aproveitou o domingo para levar a goiana Taiana Sá, de 41, para conhecer a feira belo-horizontina.

"Chegamos 11h, fizemos as compras e agora estamos descansando e tomando uma", conta Lucimara.

"Moro em BH desde julho, mas ainda não tinha vindo à Feira Hippie, gostei bastante", disse Taiana.

Leia mais:
MEC quer unificar dados de estudantes em um aplicativo até junho de 2023; entenda

Audiência de conciliação entre metroviários e CBTU é esperança de usuários para o fim da greve