O encanto do Natal cabe em todo lugar. Mesmo que o endereço não tenha paredes, fique sob uma marquise e junto a papelões e cobertores que improvisam um lar. É na rua Sergipe, perto da Praça da Liberdade, na zona Sul de Belo Horizonte, que uma árvore com quase dois metros de altura e variados enfeites chama a atenção – ou deveria – de pedestres e motoristas. Montada na calçada por Deylon Mateus Sillos, de 21 anos, derrama esperança onde a escassez impera. 

Vivendo nas ruas há três meses, o jovem ganhou a árvore de Natal de um morador da região, uma das mais valorizadas da cidade. Incrementou com papais noéis de pano, bolinhas, fitas e uma estrela, objetos que recolheu nas andanças pelo entorno.

"Ganhar um panetone ou uma roupa sempre ajuda muito, mas Natal tem que ter árvore. É o principal símbolo dessa época, que sempre nos enche de esperança", afirma o rapaz. O sonho dele? Certamente o mesmo de boa parte dos 4,6 mil homens e mulheres sem-teto da capital. “Sair das ruas e dar uma vida melhora para a minha família”, diz.

Deylon árvore de natal
"Ganhar um panetone ou uma roupa sempre ajuda muito, mas Natal tem que ter árvore", afirma Deylon

Leia mais: 

Ainda dá tempo de ajudar! Moradores de rua dependem da solidariedade de desconhecidos no Natal

Com a disparada de preços, mineiros apelam a diferentes estratégias para 'aliviar' a ceia de Natal