Embora o número de casos de gripe tenha aumentado e estados vizinhos como Rio de Janeiro e São Paulo estejam em alerta, o secretário de Saúde de Minas Gerais, Fábio Baccheretti, afirma que ainda não há surto da doença em Minas.

Nesta quinta-feira (23), durante evento de apresentação de nova técnica de transfusão de sangue da Fundação Hemominas, Baccheretti afirmou que as testagens motivadas pela pandemia do coronavírus impactam o número de casos registrados da variante H3N2 do vírus da gripe.

“Obviamente que com a Covid a gente faz muita investigação que não era feita antigamente. Então, quando hoje chega uma amostra para a Funed de suspeita de covid e a gente faz essa análise, a gente acaba diagnosticando o H3N2. Como antigamente não era uma rotina a Covid a gente não tinha esse diagnóstico tão grande de uma nova influenza”, explica.

O secretário afirmou ainda que Minas se destacou nacionalmente no cenário de vacinação contra a gripe e isso influencia na classificação de ausência de surto no Estado. Além disso, a evolução para quadros graves da doença não está diferente do histórico, segundo Baccheretti, que pede tranquilidade ao analisar o momento. 

O secretário municipal de saúde de BH, Jackson Machado, afirmou durante a semana que a capital não vive surto de gripe, mas a situação de que “certamente vai acontecer”.

H3N2 em Minas

De acordo com a Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG), até esta quinta-feira (23), foram detectadas 147 amostras clínicas com o vírus influenza A/H3N2 em Minas Gerais. Nenhum óbito foi associado aos casos.

Os cuidados preventivos com a H3N2 têm semelhanças com os protocolos difundidos para evitar a disseminação da Covid-19: o uso de máscaras; higienização das mãos; cobrir boca e nariz ao tossir e espirrar e não compartilhar objetos de uso pessoal também são indicados para evitar o contágio pela gripe.

Em Belo Horizonte, a prefeitura orienta a população a procurar os Centros de Saúde no caso de sintomas leves de doenças respiratórias para não sobrecarregar as Unidades de Pronto Atendimento (UPAs), que vêm registrando problemas de atendimento na capital.

Leia mais:
Taxa de transmissão da Covid-19 cresce em BH e alerta volta a ser amarelo
BH confirma mais oito casos da variante Ômicron do coronavírus; já há transmissão comunitária