Os usuários que procuraram o metrô de Belo Horizonte na manhã desta quinta-feira (23) precisaram buscar soluções para chegarem aos seus compromissos. Com a confirmação da paralisação da categoria, todas as 19 estações da Grande BH estão fechadas.

O vendedor Cauã Brian, de 17 anos, foi pego de surpresa. Ele chegou na Estação Vilarinho pouco antes das 8h, sem saber da paralisação. "Moro em Venda Nova, e preciso chegar ao Shopping Oiapoque. O metrô é minha principal forma de locomoção, não acho que vou conseguir chegar a tempo", lamenta. Depois de alguns minutos discutindo com amigos, Cauã decidiu voltar para casa.

Já o operário Walter Ferreira, 18, mora em Ribeirão das Neves, na Grande BH, e trabalha em uma obra no bairro Santa Inês, região Nordeste da capital, decidiu ir de ônibus, aumentando o tempo de viagem e o valor gasto com o transporte. "O trajeto de metrô dura uns 10 minutos, mas agora com a greve, devo atrasar muito e pagar mais no ônibus", explica. 

A paralisação do metrô foi confirmada no início da semana. A categoria reivindica a possibilidade de transferência dos profissionais da Companhia Brasileiro de Trens Urbanos (CBTU) para outras cidades devido à privatização do serviço na capital mineira.

Uma decisão do Tribunal Regional do Trabalho de Minas Gerais ainda garantia escala mínima de funcionamento nesta quinta, mas o sindicato afirmou que não foi notificado oficialmente, e manteve 100% dos carros inoperantes.

Leia mais:
Greve do metrô se concretiza e BH tem estações fechadas nesta quinta-feira
Metroviários não farão escala mínima determinada pelo Tribunal do Trabalho de Minas
CBTU aciona Justiça para solicitar atividade mínima ou interrupção de greve dos metroviários em BH