Os metroviários de Belo Horizonte estão de braços cruzados desde às 0h desta quinta-feira (23). Apesar da determinação da Justiça, não haverá escala mínima, conforme informou o Sindicato dos Empregados em Transportes Metroviários e Conexos de Minas Gerais (Sindimetro-MG). Na capital, todas as estações estão fechadas. 

A paralisação será por tempo indeterminado. A categoria reivindica uma resolução do Conselho de Parcerias de Investimentos, do governo Federal, que impossibilita que os empregados de Belo Horizonte solicitem transferência para outras unidades. A decisão por suspender os trabalhos foi tomada durante assembleia realizada no último domingo (19). 

Durante a semana, no entanto, a Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) afirmou que obteve uma liminar do Tribunal Regional do Trabalho (TRT-MG), que estabelece a manutenção de parte da operação do transporte durante a greve dos metroviários. Conforme o texto, as viagens deveriam ocorrer em horários de pico, das 5h30 às 10h, no período da manhã, e das 16h30 às 20h, no período da noite.

A multa pelo descumprimento é de R$ 30 mil. O sindicato, porém, disse que até às 21h de quarta-feira (22) não foi notificado da decisão judicial em caráter liminar. "A paralisação vai afetar em cheio os usuários do metrô, mas é uma situação limítrofe entre a privatização da empresa e a demissão dos funcionários concursados lotados em Belo Horizonte”, informou o Sindimetro por meio de nota. 

Leia mais:
Usuários buscam alternativas no transporte público com a confirmação da greve no metrô de BH
Metroviários não farão escala mínima determinada pelo Tribunal do Trabalho de Minas
CBTU aciona Justiça para solicitar atividade mínima ou interrupção de greve dos metroviários em BH
Metroviários decidem paralisar as atividades a partir de quinta-feira em BH