O atendimento a pacientes em Belo Horizonte vive dificuldades com a carência de médicos na capital. Em entrevista coletiva para tratar sobre a situação das Unidades de Pronto Atendimento (UPAs), o secretário de Saúde, Jackson Machado, apresentou os números da cidade. 

"Nós temos uma necessidade, na rede de Belo Horizonte, de 536 médicos, desses, 158 seriam para nossa rede de urgência", afirma.

Machado diz que o banco de currículos da prefeitura não tem nenhum profissional cadastrado. Segundo ele, a pasta já tem autorização do prefeito, já tem recursos financeiros, mas não tem candidatos. 

De acordo com o secretário, o município homologará, no próximo ano, um concurso já realizado e, a partir de fevereiro, começará a preencher as vagas para médicos na cidade. A expectativa é suprir toda a carência e os procedimentos de contratação ficam à cargo da secretaria de Planejamento.

A reportagem procurou o Sindicato dos Médicos de Minas Gerais ed aguarda um posicionamento.

Leia mais:
PBH chega a acordo com Setra, e preço da passagem de ônibus vai cair para R$ 4,30
Kalil avalia que 2021 foi melhor que o ano passado graças às vacinas contra Covid