O prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD), fez um balanço de 2021 e afirmou que este ano foi melhor em comparação com o anterior por um simples motivo: a disponibilidade das vacinas contra a Covid-19.

Nesta terça-feira (21), o chefe do executivo municipal apresentou, em coletiva de imprensa, um resumo das ações da administração neste ano.

Questionado, o mandatário garantiu que a campanha de imunização foi o principal fator do período atual. "Em 2020 nós estávamos orando e rezando, nos protegendo. Em 2021, tivemos a vacina, que depende da gente, depende do nosso braço", afirmou. 

Segundo o último boletim epidemiológico e assistencial da PBH, 99,7% do público-alvo já foi imunizado contra o coronavírus na capital, sendo mais de 2,4 milhões de primeiras doses aplicadas.

"Foi um ano melhor porque a população se protegeu cientificamente, com medicamento, porque antes era só com isolamento e cuidado. Hoje, continua isolamento e cuidado, mais a vacina", completou.

Para o próximo ano, a expectativa do governante são ainda melhores. "Sou um otimista. Não há hoje um quadro da epidemia, nada que nos leve, a não ser nesse momento final dessa guerra, a acreditar que em 2022 nós vamos ter a toada de 2021", disse.

Além disso, Kalil lembrou que, diferente do ano passado, a virada do ano será com a cidade totalmente aberta. "Tudo funcionando, com o comércio colhendo frutos do Natal. O turismo colhendo fruto de ano novo, de férias. Então, obviamente, a entrada de 2022 será um ano melhor, eu espero".

Leia mais:
Minas não registra óbitos por Covid; 423 novos casos foram confirmados em 24 horas
Mineiros estarão vacinados com duas doses até o Canaval, avalia secretário Fábio Baccheretti
Vacinas para crianças contra Covid devem chegar em janeiro, diz secretário Fábio Baccheretti