Mesmo diante da deliberação da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) que autoriza a redução do intervalo para aplicação da terceira dose da vacina da Pfizer, contra a Covid, em Minas, o belo-horizontino que recebeu a segunda aplicação há quatro meses ainda deve aguardar para comparecer aos postos de saúde. 

Na capital mineira, os pontos de aplicação do imunizante ainda seguem a recomendação antiga, que autorizava o intervalo de cinco meses entre as doses. A informação foi divulgada pela prefeitura de BH nesta segunda-feira (20), dia em que a medida começa a valer em todo o Estado.

Não há previsão para a mudança na metrópole. Por meio de nota, a administração municipal informou que segue as orientações do Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19, do Ministério da Saúde, e que ainda vai definir as estratégias para adotar os novos critérios na convocação dos públicos. 

Na semana passada, durante coletiva de imprensa, o secretário Municipal de Saúde, Jackson Machado, afirmou que a cidade vai reduzir o intervalo e que estuda a possibilidade já há algum tempo, com objetivo de ampliar a imunização da população. 

Enquanto essa redução não ocorre, aqueles que já completaram o período adotado por aqui podem comparecer aos locais de vacinação de segunda a sexta-feira. É preciso apresentar o documento de identidade e o cartão de vacinação. 

Para pontos fixos e extras, o funcionamento segue de 8h às 17h. Já o drive-thru abre das 8h às 16h30. Os shoppings funcionam das 13h às 19h30. Há também espaços extras de vacinação com horário noturno. Todos os endereços podem ser verificados aqui.

Medida em Minas

Segundo informou o governo de Minas nesta manhã, a redução do intervalo está permitida para todos os municípios que tenham doses da Pfizer com prazo de vencimento, por descongelamento, inferior a 15 dias, com impossibilidade de remanejamento das doses entre cidades vizinhas. 

A medida, de acordo com a SES, tem o objetivo de avançar com a campanha, bem como ampliar a cobertura contra a doença entre a população. A diminuição do prazo também é uma estratégia preventiva diante da confirmação de casos da variante Ômicron por aqui.

Atualmente, há cerca de 3 milhões de doses da Pfizer disponíveis nos 853 municípios mineiros. “Cada cidade tem autonomia para estabelecer estratégias para o calendário de vacinação, conforme a realidade local”, informou o governo. 

Até o momento, 2,2 milhões de pessoas receberam a terceira dose no Estado. Em BH, o reforço foi aplicado em 364 mil moradores. 

Leia mais:
Minas reduz para quatro meses o intervalo para aplicação da dose de reforço contra a Covid-19
Para aplicar terceira dose em adultos PBH depende de nova remessa de vacinas
BH vai adotar tempo mínimo de quatro meses para aplicação da dose de reforço contra a Covid-19