A autorização para aplicação da Pfizer em crianças de 5 a 11 anos foi dada na última quinta-feira (16) pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Porém, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou que a decisão do governo sobre a nova etapa da campanha de imunização será tomada apenas em 5 de janeiro, após audiência pública a ser realizada no dia anterior. 

Segundo ele, a autorização da Anvisa não é decisão suficiente para viabilizar a proteção para esse grupo. "Se você olhar todas as políticas públicas do Ministério da Saúde e verificar todas as autorizações que a Anvisa deu em relação a medicamentos, a dispositivos médicos, basta ver o que tem autorizado pela Anvisa e o que está incorporado no SUS (Sistema Único de Saúde). São avaliações distintas”, disse o ministro.

Queiroga disse que aguarda parecer da Câmara Técnica Assessora de Imunizações (CTAI). O documento será levado na próxima semana para apreciação em uma consulta pública, um mecanismo de participação social não presencial, usado por entes públicos para subsidiar o processo de tomada de decisão.

"No dia 4 de janeiro, faremos uma audiência pública para discutir o que foi oferecido em consulta pública que, em adição ao posicionamento da CTAI, servirá de base para a decisão final do Ministério da Saúde”, acrescentou o ministro.

Conforme a Anvisa, existem evidências científicas de que o imunizante, aplicado em duas doses nesse público, pode ser eficaz na prevenção de doenças graves causadas pelo vírus.

Em BH, pelo menos 193 mil crianças de 5 a 11 anos poderão ser vacinadas. A prefeitura de BH informou que aguarda a entrega das remessas, pois dispõe de pessoal e insumos necessários. 

Leia mais:

BH deve vacinar 193 mil crianças entre 5 e 11 anos; medida pode gerar maior controle da pandemia

BH vai adotar tempo mínimo de quatro meses para aplicação da dose de reforço contra a Covid-19