Belo Horizonte vem registrando um aumento de casos de gripe mesmo fora do período de tempo frio e seco. Dados divulgados pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS) nesta quinta-feira (16) apontam que, de setembro a dezembro deste ano, foram registrados 102 mil atendimentos de pacientes com gripe até o dia 14. No ano passado foram realizados 92 mil atendimentos no mesmo período, o que representa um aumento de 10,8%. A pasta afirma ainda que a situação é de alerta para a população.

Em 2020, foram realizados 273 mil atendimentos por doenças respiratórias nos centros de saúde e, em 2021, já são 373 mil só até o dia 14 de dezembro, informa a SMS.

De acordo com a Secretaria, os atendimentos incluem diagnósticos de gripes causadas pelo vírus influenza e de outras manifestações respiratórias por vírus identificados ou não, além de pneumonias virais e infecções agudas das vias aéreas inferiores não especificadas.

Sobre o aumento de casos de gripe em BH, o infectologista Estêvão Urbano explica que pode ser resultado de diversos fatores. "As pessoas voltaram a circular por causa do relaxamento das medidas de distanciamento social; há um relaxamento também do uso de máscaras; o vírus está circulando nas cidades; e há uma menor taxa de vacinação esse ano. Você junta tudo isso e tem esse quadro. Precisamos ficar atentos, realmente houve um aumento muito grande", afirma.

Urbano ressalta que pode haver uma relação do aumento de casos de BH com o surto de gripe no Rio de Janeiro, já que há mais pessoas circulando e pela facilidade de transmissão do vírus. No estado do Rio, o influenza já provocou a contaminação de 21 mil pessoas nas últimas semanas só na capital.

O infectologista lembra que a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais ainda não identificou, oficialmente, qual o tipo de influenza está causando o aumento de casos no estado. Mas ele alerta que especialistas e autoridades de saúde acreditam que há a probabilidade de ser uma cepa parecida com a que está circulando em outras regiões do país.

Diante da baixa cobertura vacinal contra a gripe, o número de casos da doença cresceu 30% em Belo Horizonte em comparação com o ano passado. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, apenas 62% do público-alvo, que é de 1,1 milhão de pessoas, foi imunizado contra o influenza na capital. A meta estipulada pelo Ministério da Saúde é proteger 90% dos grupos prioritários.

Vacina da gripe
Conforme a Prefeitura de BH, até o momento, a cobertura vacinal contra a gripe está em cerca de 75%. O órgão explica que a vacina protege contra três tipos do vírus influenza (H1N1, H3N2 e influenza B) e que vem sendo aplicada desde o dia 19 de julho na população em geral e em bebês a partir dos 6 meses. O imunizante continua disponível para a população nas unidades de saúde enquanto houver estoque.

Os endereços dos centros de saúde podem ser acessados no portal da Prefeitura.

Segundo o infectologista Estevão Urbano, as medidas de prevenção à gripe são semelhantes às da Covid-19: higienização frequente das mãos; uso de máscaras em locais fechados; evitar aglomeração de pessoas e vacinação.

Leia mais:
BH tem 30% mais casos de gripe neste ano; baixa cobertura vacinal amplia risco de surto
Fiocruz alerta para risco de 'exportação' de casos de influenza do Rio para outros estados
Secretaria de Saúde de Minas recomenda ampliar vacinação contra gripe para evitar surto como do Rio